quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Conheça a dieta de South Beach

Dr. Filippo Pedrinola/Revista Menu

O grande mal das dietas ou regimes é que, em geral, não funcionam a médio ou longo prazos por sugerirem propostas que retiram drasticamente um grupo alimentar ou por serem muito complicadas e difíceis de seguir no dia-a-dia. As pessoas costumam ficar confusas com tantas propostas diferentes e não sabem no que acreditar: será que o problemas são as gorduras? Serão os carboidratos? Como combinar os alimentos?

A dieta de South Beach foi desenvolvida pelo dr. Arthur Agatston, renomado cardiologista e professor associado da Universidade de Medicina de Miami, daí o nome de seu livro. Devido à sua especialidade, há muitos anos vem pesquisando uma alimentação adequada para auxiliar seus pacientes a reduzir os riscos de desenvolver doenças cardíacas, procurando melhorar a "química" do sangue, reduzindo os níveis de colesterol ruim e dos triglicérides. Como conseqüên-cia do uso da dieta notou-se que os pacientes também reduziram o peso e, assim, começou a ser solicitado por pessoas que queriam emagrecer.

A dieta de South Beach não propõe a retirada de nenhum grupo alimentar, a não ser nos primeiros 14 dias, e ensina que devemos comer de tudo, aprendendo que existem os bons e os maus carboidratos, assim como as boas e as más gorduras.

Bons carboidratos x maus carboidratos
Boa parte do excesso de peso das pessoas ocorre devido à ingestão de carboidratos, especialmente aqueles que não contêm fibras e são conhecidos como refinados ou maus carboidratos. Entre eles estão o pão branco, os biscoitos, os refrigerantes e os bolos. Os bons carboidratos são aqueles não refinados e, portanto, contêm fibras. Entre eles estão o pão integral, cereais, massa de grão duro, verduras e legumes, e frutas com casca. A vantagem de conter fibras é que, além de retardar a absorção dos açúcares, estimula o bom funcionamento intestinal.

Boas gorduras x más gorduras
As boas gorduras são conhecidas como insaturadas e são, geralmente, de origem vegetal, como o azeite de oliva, óleo de canola, óleo de girassol, oleaginosas. A boa gordura de origem animal é encontrada nos peixes de água fria, como atum, salmão e sardinha, conhecida como ômega 3. Essas gorduras são consideradas boas porque protegem o coração. As más gorduras ou as chamadas saturadas são de origem animal e são encontradas nas carnes e frituras.

A dieta é dividida em três fases:
  • A primeira fase, que dura 14 dias, é difícil porque a ingestão de carboidratos fica restrita apenas às leguminosas (feijão, soja, lentilha, ervilha) e estão proibidas as massas, arroz, pães, cereais, doces e até frutas. Estão liberadas carnes magras, frango sem pele, laticínios (de preferência desnatados), ovos, azeite de oliva e pequenas porções de oleaginosas (nozes, amêndoas). Nessa fase, a promessa é emagrecer de 3 a 5 quilos.

  • Na segunda fase, os bons carboidratos começam a ser reintroduzidos gradualmente, de modo que a perda de peso continue por volta de meio a um kilo por semana. Deve-se permanecer nessa fase até atingir o peso desejado.

  • A terceira fase é aquela a ser seguida por toda a vida, como a manutenção de bons hábitos. Nela se pode comer uma porção de carboidratos bons (integrais) em cada uma das principais refeições e comer uma porção de algo "proibido" uma vez por semana, como por exemplo, o tão desejado chocolate ou uma bela porção de lasanha. No caso de comer exageradamente, é só voltar à primeira fase por uma ou duas semanas e, uma vez de volta ao peso ideal, retorna-se à terceira fase. Obviamente nem todos se adaptam a essa dieta, pois não existe uma receita única que atenda às preferências de todos, mas sem dúvida é uma boa opção, que ensina conceitos importantes.

  • O LIVRO:

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...