sexta-feira, 31 de julho de 2009

Livre-se dos problemas emocionais ligados à obesidade.

 

 

EMAGREÇA COM PSICOTERAPIA

 

terapia


É sabido que o emagrecimento ocorre quando o indivíduo gasta mais calorias do que ganha. Para atingir este objetivo, é necessário adotar uma alimentação adequada aliada à prática freqüente de exercícios físicos

Embora a receita pareça simples, na prática a situação é bem mais complicada. A dificuldade se deve ao fato da relação com a comida ser sempre investida de sentimentos que podem dificultar
o rompimento com antigos hábitos alimentares. Por tratar destas questões emocionais, a psicoterapia pode ser uma ferramenta muito útil na luta contra a obesidade.

“Não são raros os casos de mães
que preparam refeições altamente calóricas para premiar um bom filho, ou o privam de comida quando se comporta mal”

Muitas são as situações em que o atendimento psicológico se faz indicado e não seria possível mencionar todas elas neste pequeno espaço. Abaixo descreverei alguns problemas emocionais que freqüentemente prejudicam a perda de peso e que podem ser tratados em psicoterapia:

1. Obesidade como conseqüência do ambiente familiar: em muitas famílias o alimento é usado para punir ou recompensar os indivíduos por suas ações. Não são raros os casos de mães que preparam refeições altamente calóricas para premiar um bom filho, ou o privam de comida quando se comporta mal (note que o alimento é usado como sinônimo de amor). Estas relações fazem com que muitos indivíduos adultos tenham dificuldade de aceitar a diminuição da ingestão de alimentos, tornando-se incapazes de seguir um plano de reeducação alimentar, sem que antes tratem esta dificuldade emocional.

2. O alimento como principal fonte de prazer e consolo: muitos são os casos de pessoas que sentem-se pouco satisfeitas em seus relacionamentos (familiares, amorosos, amizades) e não se realizam em suas atividades cotidianas. Para estas pessoas, a comida pode se tornar uma grande amiga: aquela que as consola nos momentos de tristeza e as acompanha nas horas de alegria. O alimento passa a ser a maior fonte de prazer e, desta forma, a obesidade se instala. Neste caso, não bastam recomendações alimentares; é necessário tratar o problema psicológico para que o emagrecimento possa ocorrer.

3. A obesidade como forma de tornar o corpo menos atraente: o amadurecimento emocional do ser humano passa pela aceitação do corpo sexualmente maduro. Entretanto, muitas pessoas tem dificuldade de lidar com esta transição do corpo infantil para o corpo adulto e acabam utilizando a obesidade com forma de esconder as mudanças. A camada de gordura passa a servir como uma defesa que protege a pessoa de se mostrar sexualmente atraente, evitando, assim, os sentimentos de insegurança e ansiedade que esta situação pode gerar. Para estes indivíduos, o emagrecimento é encarado como uma ameaça que lhes roubaria as defesas e isto os leva e a permanecerem eternamente na condição de obesos. Tratar estas dificuldades é um passo fundamental para que a perda de peso seja vista de forma positiva.

Para todos os casos aqui descritos a psicoterapia é o tratamento recomendado. Neste processo o indivíduo torna-se capaz de analisar e refletir sobre as questões que prejudicam a perda de peso e se prepara para superar estes obstáculos. Com o caminho desobstruído fica bem mais fácil seguir os planos de emagrecimento e atingir o objetivo esperado!

 

FONTE: http://cyberdiet.terra.com.br/

Matéria escrita pela colunista e psicóloga, Flávia Leão Fernandes, para o  site “CyberDiet”.

Revista: Saúde É Vital - Ed313 - 2009-07

Sa_de._.Vital_313_2009_07

Saúde É Vital
A Dieta para Enxergar Mais

Compare o suco de laranja com o de maracujá
Veja as quantidades de vitaminas e minerais dessas bebidas


Perder peso afasta a depressão, a insônia...
...descubra esses e outros motivos para emagrecer e fazer as pazes com a balança

20 minutos de exercícios, 12 horas de bem-estar
É o que revela uma pesquisa americana recém-saída do forno

Controle o estresse em cinco dias
Conheça a técnica que promete ajudar você a se livrar da tensão em curto prazo


Os jovens e o celular
Usar o aparelho além da conta pode comprometer a saúde dos adolescentes

Uma tosse do cão
Saiba como evitar esse problema que acomete muitos cachorros no inverno


Edição: 313 - Julho 2009
Tamanho: 21 mb
Formato: pdf
Páginas: 63
Opções de Download:
Easyshare
Rapidshare

 

FONTE: http://www.banca-de-revista.com/

quarta-feira, 22 de julho de 2009

ABESO lança campanha contra obesidade!

 O excesso de gordura no corpo desencadeia e piora uma série de problemas de saúde que poderiam ser evitados, a partir de um estilo de vida saudável.

como-manter-peso-080408 

Ao longo das últimas três décadas, o Brasil tem passado por uma transição nutricional. Ao mesmo tempo em que os índices de desnutrição na população diminuem, os de obesidade se multiplicam. A doença já atinge 11% da população, de acordo com dados do Ministério da Saúde, e se hábitos não forem revistos, o número de obesos pode crescer ainda mais, já que mais de 40% dos adultos tem sobrepeso.

Manter-se no peso saudável e ficar longe das gordurinhas desnecessárias, significa equilibrar a quantidade de calorias ingeridas com a quantidade de calorias queimadas pelo corpo. Quando essa combinação se desestabiliza e a quantidade de calorias ingeridas ultrapassa as queimadas, ocorre um acúmulo no tecido adiposo sob a forma de gordura. Se esse processo torna-se cumulativo, com o passar do tempo desenvolve-se a obesidade.


- A pessoa com sobrepeso já deve se preocupar, porque o ganho de peso pode evoluir rapidamente, principalmente naquelas pessoas que já têm fatores de risco, como casos antecedentes na família - afirma o médico João Eduardo Salles, secretário geral da ABESO.


Pensando nisso, a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, ABESO, está desenvolvendo a Campanha de Combate à Obesidade, que pretende esclarecer quais os riscos da doença, como tratá-la, e as medidas que devem ser tomadas para preveni-la. A associação entende que medidas preventivas são as formas mais eficientes de combate à doença, e por isso é essencial a realização de campanhas que alertem a população.


O excesso de gordura no corpo desencadeia e piora uma série de problemas de saúde que poderiam ser evitados, a partir de um estilo de vida saudável. A taxa de mortalidade entre homens muito obesos de 25 a 40 anos, por exemplo, é 12 vezes maior se comparada à taxa de mortalidade em indivíduos de peso normal.


Associada a variáveis ambientais, genéticas e comportamentais, a obesidade é um fator de risco indiscutível para várias doenças. Diabetes tipo 2, hipertensão arterial, alteração nos níveis de colesterol, infarto do miocárdio, derrame cerebral, tromboses, problemas ortopédicos e dermatológicos, são apenas alguns exemplos do que a doença pode causar. A boa notícia é que a perda de peso, na maioria dos casos, leva à cura ou ao controle, como na diminuição do colesterol ou na redução da glicose no sangue.


Além disso, os obesos também são discriminados e, muitas vezes, sofrem de falta de autoconfiança. Perturbações emocionais como a ansiedade ou a depressão aparecem freqüentemente associadas à ingestão excessiva de alimentos e podem também ser causadas pela obesidade.


Apesar de ser uma necessidade, a decisão de perder peso pode não ser fácil.


Após emagrecer, o paciente terá de passar o resto da vida de olho na balança, por isso, o ideal é que a doença seja combatida antes mesmo de se manifestar.


Além disso, é importante que o paciente tenha um acompanhamento multidisciplinar, incluindo tratamento médico, nutricional e, algumas vezes, psicológico. No entanto, mais indicado do que o tratamento é a sua prevenção, evitando o desenvolvimento da obesidade logo na infância. Hábitos alimentares saudáveis e uma vida menos sedentária certamente são prioridades para fazer com que a população diminua seus índices de obesidade.

 

FONTE: http://www.emagrecendo.net.br

A importante refeição matinal!

 

 

Tomar café da manhã reduz vontade de consumir alimentos calóricos!

Deixar de tomar café da manhã aumenta a vontade de consumir alimentos ricos em gorduras e açucares ao longo do dia. Além disso, o hábito de substituir a primeira refeição por lanches e bebidas industrializadas pode fazer com que fiquem elevados os níveis de glicemia, triglicérides e de LDL (colesterol ruim) no sangue.
As informações são da nutricionista Lara Natacci, mestre em ciências pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo). Ela diz que o ritmo do metabolismo diminui durante o sono, por isso é importante "ativá-lo" pela manhã com o processo de digestão.


"Se a gente não toma café da manhã mais ou menos uma hora depois que a gente acordou, esse metabolismo continua baixo, ou seja, a gente passa a gastar menos energia durante o dia", explica.
A especialista diz que o consumo frequente de alimentos calóricos pode ocasionar também o acúmulo de gordura no organismo e o surgimento de problemas crônicos, como doenças cardiovasculares.

 

FONTE:http://www.emagrecendo.net.br/

domingo, 12 de julho de 2009

Revista: Men's Health Brasil | Julho de 2009 | Ed.Nº 39

 

mht07

Digestão sem dor de barriga
Meteu o pé na jaca? Temos o plano para sair de lá
Sexo! O plano para o segundo tempo... sem intervalo!
Dar duas na sequência é mais fácil do que você imagina
Birita sem roubada
No cardápio, na transa, no day after

Soja: fuja dessa cilada
Em excesso, o grão pode deixar você até com mamas

Muque 10, banha zero!
Basta ½ hora de malhação, três vezes por semana!

27 ideias do rock para um visual matador
Jaquetas de couro, jeans e botas vão renovar seu look

Na piscina você vai longe
Entre em forma com esportes de água

Um novo corpo sob medida
O treino para o magro, o atlético e o gordo

As lições que vêm dos mortos
Os cadáveres ajudam você a viver mais

Qualquer hora é hora
Conheça seu relógio sexual e pau na máquina

Leia a mente dela...
...entenda as expressões faciais da moça e se dê bem

O novo ponto fraco feminino
Pesquisas garantem: encoste no braço e vá em frente


Tamanho: 20 MB
Formato: PDF
Download Easyshare
Download Depositfiles

 

FONTE: http://www.kotonette.com/

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Farinha de Maracujá X Gordura! O consumo na medida certa ajuda a diminuir a absorção de gordura!

maracuja

 

Você já imaginou uma “farinha” que contribui para que seu organismo retenha menos gordura e ajude diretamente no emagrecimento? Pois é, ela existe: é a farinha de maracujá. E se você acha que a polpa é a principal fonte dessa outra benfeitoria errou. A pectina é uma substância que, no organismo, se transforma numa espécie de gel, o qual causa sensação de saciedde e dificulta a absorção de carboidratos e gorduras no organismo. Essa “maravilha” está na casca da fruta.


Como se não bastasse, a casca do maracujá é rica em Ferro, Cálcio, Fósforo, Pectina e Niacina (vitamina B). Além disso, a fruta é conhecida pelas suas propriedades tranqüilizantes. Nos últimos anos, pesquisas reforçaram a verdade sobre os benefícios do alimento, que é um dos mais populares do país.

"a farinha de maracujá dificulta a absorção de carboidratos em geral, inclusive da glicose, o que favorece no controle do diabetes"


Algumas empresas já produzem a farinha de maracujá. Atualmente, é possível encontrá-la à venda sem grandes dificuldades nos mercados de produtos naturais. Para incorporá-la ao cardápio, basta consumir dissolvida em água ou nos sucos como acompanhamento das refeições do dia (café da manhã, almoço ou janta). A dose diária vai depender da recomendação de cada fabricante.

Testes realizados na Faculdade de Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), comprovaram que a farinha de maracujá dificulta a absorção de carboidratos em geral, inclusive da glicose, o que favorece no controle do diabetes. Além disso, tal substância auxilia no controle do colesterol e fornece nutrientes essenciais.

 

 

FONTE: http://www.emagrecendo.net.br

terça-feira, 7 de julho de 2009

Cafeína - Os efeitos positivos e negativos da cafeína.

cafe

 

CAFEÍNA: SOMENTE O EXCESSO É PREJUDICIAL

Muito já se falou sobre a cafeína e seus efeitos no organismo humano: acelera o metabolismo, tira o sono, faz bem para o coração, “rouba” o cálcio dos ossos, entre outras coisas. Mas qual é realmente o efeito que a cafeína exerce no nosso corpo e quais as vantagens e desvantagens do seu consumo?
Suspeita-se que a cafeína seja utilizada desde o período paleolítico. Relatos mais confiáveis sugerem que ela tem sido consumida há milênios. Os chineses já a consumiam no século IV a.c.

A cafeína, um composto químico que pertence ao grupo das xantinas, é encontrada em mais de 60 tipos de plantas, apresenta-se sob a forma de um pó branco, é extremamente solúvel em água quente, não tem cheiro e o seu sabor é amargo. Dentro do grupo das xantinas, a cafeína é a que mais atua sobre o sistema nervoso central.

As principais plantas que contém o princípio ativo cafeína são: o chá mate (as folhas e talos), a cola (utilizada em alguns refrigerantes), o café (as sementes), o guaraná (os frutos) e o cacau (os frutos). Entre os alimentos, os que mais contém cafeína são: café, chá, alguns refrigerantes e o chocolate. Além dos alimentos, alguns medicamentos também contém cafeína como os antigripais, por exemplo.

Dos alimentos que contém cafeína, é no café que encontramos a substância em maior quantidade. Uma xícara média de café contém, aproximadamente, 100 miligramas de cafeína. Já uma xícara de chá ou um copo de certos refrigerantes contém, em média, 40 miligramas.

Por exercer ação estimulante no sistema nervoso central, se consumida em grande quantidade, a cafeína pode causar irritabilidade, ansiedade, inquietação e insônia. Por isso, o mito de que tomar café a noite tira o sono e que acelera o metabolismo.

 

“Se a pessoa não consumir cafeína em excesso e sua alimentação contemplar as necessidades de cálcio e outros nutrientes, o consumo de cafeína não será um fator determinante para o desenvolvimento de osteoporose”


A cafeína, no cérebro, atua sobre os receptores do hormônio adenosina, exercendo ação inibidora sobre esse hormônio, impede que ele aja como redutor da pressão sanguínea, da frequência cardíaca e da temperatura corporal, fatores responsáveis pela sensação de sono.

Além desses efeitos, a cafeína, consumida moderadamente, apresenta ação antioxidante, atua no combate aos radicais livres e, consequentemente, diminui os riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Com relação à absorção do cálcio, dados reunidos em uma pesquisa indicam que a cafeína não é prejudicial ao metabolismo ósseo desde que a pessoa consuma uma necessidade adequada de cálcio na dieta.

Estudos com relação ao consumo de cafeína e o desenvolvimento de osteoporose ainda são contraditórios, pois o desenvolvimento da doença não depende somente do metabolismo do cálcio. Outros nutrientes estão envolvidos como: manganês, magnésio, vitamina D, boro, e também fatores como: idade, sexo, raça, atividade física, consumo de álcool, uso de medicamentos e fumo.

Mas se a pessoa não consumir cafeína em excesso e sua alimentação contemplar as necessidades de cálcio e outros nutrientes, o consumo de cafeína não será um fator determinante para o desenvolvimento de osteoporose.

Um estudo¹ sobre os efeitos da cafeína na saúde humana indicou que seu consumo moderado (máximo de 4,6 mg/kg de peso), por adultos saudáveis em idade reprodutiva, não está associado a efeitos adversos. De forma geral, para aqueles que apreciam as bebidas à base de cafeína, procure não ultrapassar a quantidade de até três xícaras (chá) por dia.

Sendo assim, não precisa cortar o cafezinho de todo dia, o chocolate consumido esporadicamente e os chazinhos das noites frias. Não ultrapasse a quantidade adequada por dia, que sua saúde e bem-estar não serão prejudicados.

 

Referência:
1. De Maria, Carlos A. B.; Moreira, Ricardo F. A. Cafeína: revisão sobre métodos de análise. Química Nova, 2007, vol.30, n. 1, ISSN 0100-4042.

 

Fonte: http://cyberdiet.terra.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...