terça-feira, 7 de setembro de 2010

Comer sem neurose

 

sem neura O corpo é considerado saudável quando todos os seus órgãos funcionam bem, independentemente da estética. Quando o organismo cumpre o seu ciclo bioquímico adequadamente, o corpo não ficará nem gordo nem magro demais.


A longevidade está associada a um bom estado de saúde física e mental, o que se consegue melhorando a qualidade de vida, ou seja, com boa alimentação, prática de exercícios físicos, lazer e bom relacionamento familiar e social.

Com relação ao controle do peso, não se deve pensar que é preciso ser magro a qualquer custo e se render à ditadura da magreza. Atualmente, há um padrão estético veiculado pela mídia como sendo o ideal, deixando muitas pessoas frustradas por não conseguirem atingir esse padrão.

Manchetes como elimine 7Kg em duas semanas; faça a dieta da lua e perca 4kg em 10 dias; conheça a dieta do carboidrato e fique linda e magra, são bastante freqüentes na mídia. Deixa as mulheres iludidas com a possibilidade de conquistar o corpo dos sonhos rapidamente.


Numa alimentação saudável há espaço para todos os alimentos, claro que sem exageros. A palavra que faz a diferença é equilíbrio Os nutricionistas, que se preocupam com as conseqüências de tantas promessas sem fundamento, procuram alertar a população sobre o problema de ingerir alimentos que não fornecem a quantidade suficiente dos nutrientes exigidos pelo organismo.
A influência dos alimentos sobre a saúde é um tema bastante recorrente. Apesar do grande número de informações a respeito do efeito benéfico ou prejudicial de certos alimentos à saúde, ainda há muitos pontos a esclarecer sobre esse assunto. Por essa razão, alguns alimentos ora são considerados prejudiciais, ora nem tanto. Exemplo disso é o chocolate. O antigo vilão responsável pelo excesso de peso foi inocentado por ter a propriedade de combater o colesterol e beneficiar a memória.

Diante da incerteza, o melhor é não radicalizar, pois está provado que dentre as dez doenças que mais matam no mundo, cinco estão diretamente associadas à alimentação de má qualidade: derrame, infarto, obesidade, diabetes e alguns tipos de câncer. É bem conhecida a importância da reeducação alimentar para o organismo funcionar melhor.

A reeducação alimentar pressupõe algumas mudanças no estilo de vida e na escolha dos alimentos. A alimentação envolve inúmeros aspectos, que vão além da nutrição pura e simples. Há o prazer de estar na companhia de amigos e familiares, de um bom papo e também o prazer intrínseco à degustação dos alimentos.

Atualmente, acredita-se que não se deve deixar de consumir nenhum alimento, sejam gorduras ou carboidratos. Isso porque todos os alimentos são importantes para o funcionamento do organismo. Numa alimentação saudável há espaço para todos os alimentos, claro que sem exageros. A palavra que faz a diferença é equilíbrio.

Equilíbrio significa não exagerar no consumo e nem na privação, sentir prazer ao se alimentar e ter consciência de que essa não é a única fonte de prazer ao nosso alcance.

A boa alimentação favorece o metabolismo, o sono, o humor, a regularidade do intestino e controla a ação dos radicais livres. O organismo funciona melhor. Mas não é por isso que a pessoa deve se sentar à mesa preocupada em comer um abecedário inteiro de vitaminas, proteínas e sais minerais. É possível ter uma alimentação saudável, com pratos saborosos bem escolhidos e feitos com o capricho de quem sabe o que comer e como comer. À mesa sirva-se com bom senso!

 

 

Por:Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.

Fonte: http://cyberdiet.terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...