sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Deixe o seu FIGADO em forma

Quando ele engorda, é sinal de que uma avalanche está por vir. Se a barriga avantajada já despertava preocupação, hoje se sabe que, por trás dela, existe um fígado balofo. E os médicos estão convencidos de que é preciso mantê-lo esbelto para afastar o diabete e os problemas cardiovasculares

por DIOGO SPONCHIATO/design THIAGO LYRA/foto GUSTAVO ARRAIS

 

medicina-figado Dentro de um ventre rechonchudo costuma se esconder um fígado obeso. Comparável a um verdadeiro complexo industrial, esse órgão produz, estoca e transforma substâncias vitais ao corpo. Mas, quando suas células ficam acima do peso, a nossa maior glândula pode trilhar o caminho da falência. Pior: os pesquisadores revelam que esse regime de engorda faz companhia a outros distúrbios sérios. Um time da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, acaba de apontar que a esteatose hepática, o nome científico da gordura instalada ali, é um marcador de risco importante para o diabete tipo 2 e a formação de placas que entopem as artérias. "Tanto a gordura que se acumula no abdômen quanto aquela que se deposita em excesso no fígado contribuem com esses males", justifica, em entrevista a SAÚDE!, o professor americano Samuel Klein.

A doença hepática gordurosa não alcoólica — denominação ainda mais complicada do infortúnio responsável pela esteatose — já é encarada como um problema em ascensão, já que pega carona na pandemia de obesidade que, vale frisar, não poupa o Brasil. "Fizemos um estudo com mais de 9 mil pessoas submetidas a exames de ultrassom e verifi camos que quase 20% delas apresentavam a esteatose", lamenta o hepatologista Edson Parise, professor da Universidade Federal de São Paulo. Se o grupo de investigados fosse formado por obesos mórbidos, a estimativa é que o número subiria para 92%. "Hoje esse acúmulo de gordura é o mal mais diagnosticado no consultório do hepatologista, o médico do fígado", afirma o especialista Hoel Sette Júnior, doHospital Alemão Oswaldo Cruz, na capital paulista.

Com a idade, multiplicam-se as chances de o indivíduo carregar o transtorno, muito bem instalado dentro de uma pança proeminente. Mas o que assusta mesmo é a tendência de cada vez mais jovens serem surpreendidos com um fígado cheio de gordura. "A prevalência tem aumentado até mesmo entre crianças e adolescentes justamente por causa do crescimento da obesidade", diz Klein. De quem é a culpa? Você já deve saber: sedentarismo, dieta exageradamente calórica e uma pitada, só uma pitada, da influência dos genes.

Mistérios ainda rondam a parceria entre a esteatose e a barriga avantajada. Apesar de andarem de mãos dadas, ainda não se sabe ao certo se o problema no fígado é mera consequência da gordura visceral. "É possível que moléculas da gordura do abdômen viajem até esse órgão e se alojem nele", presume Samuel Klein. Mas, se existe uma evidência do que patrocina um fígado volumoso, ela reside em um distúrbio típico das pessoas que ostentam quilos a mais: a resistência à insulina (veja o infográfico nos complementos da matéria). Ok, ela também é associada à cintura larga — que então, no fundo, teria a ver com a esteatose, só que indiretamente. A resistência ao hormônio é triste, porque não só causa a esteatose como piora bastante quando o fígado fica engordurado, em um ciclo pernicioso.

 

Livre seu fígado da gordura

Cerca de 20% dos brasileiros sofrem com esse distúrbio. Aprenda sete estratégias à mesa que ajudam o órgão a emagrecer


Maneire no carboidrato

"Ele é o grande vilão da história", define a nutricionista Luciana de Carvalho, do departamento de gastroenterologia da Universidade Federal de São Paulo. "Isso não significa que pães e massas devam ser abolidos do dia-a-dia", esclarece a especialista. "Mas é preciso consumi-los com moderação."

Cuidado com algumas gorduras

Quem se abarrota de carnes vermelhas, manteiga, frituras e biscoitos industrializados leva para dentro do organismo um batalhão de gorduras saturada e trans. Daí, a silhueta e, claro, o fígado engordam.

Invista nas fibras

A aveia, o farelo de trigo, as massas integrais, as frutas e as verduras são exemplos de fontes dessas substâncias que se revelam grandes aliadas de um fígado em forma.

Aposte nas gorduras do bem

Estamos falando dos ácidos graxos monoinsaturados e dos parceiros polinsaturados. Com o perdão dos palavrões, são essas as gorduras que merecem respeito porque ajudam o fígado emagrecer.

Conte com eles: os antioxidantes

Ícones de qualquer alimentação balanceada, os vegetais são os principais reservatórios das substâncias que enfrentam os radicais livres, moléculas que podem prejudicar o corpo - e o fígado.

Atenção ao álcool

Eis um assunto que merece bastante cautela. Quando o fígado engorda mas ainda não se tornou refém inflamações - só nesses casos -, pode-se tomar até uma taça de vinho tinto (de 100 a 200 mililitros) por dia.

Perca peso, mas vá devagar

É necessário manter o rigor - aliando a dieta à prática de exercícios físicos - para emagrecer, mas é loucura tentar mandar para o espaço quilos e quilos num curto espaço de tempo.

Fonte: http://saude.abril.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...