quinta-feira, 28 de julho de 2011

MyPlate, novo guia americano de nutrição

0,,53805501,00

O MyPlate é um guia de nutrição recém-lançado nos Estados Unidos para substituir o desenho de pirâmide alimentar, bastante usado na área para ressaltar quais porções e alimentos devem ser consumidos em uma dieta equilibrada.

Nessa nova representação gráfica, as cores são o principal diferencial e chamam a atenção para a maneira correta de montar seu prato a cada refeição. A divisão é feita em quatro grupos:vegetais, grãos, frutas, proteínas e laticínios.

No entanto, vale lembrar que os hábitos alimentares dos brasileiros são diferentes dos americanos e, por isso, provavelmente os laticínios se encaixam melhor nos lanches, entre as refeições principais, em forma de iogurte, leite ou queijo. No restante, o MyPlate é adequado e até parece a antiga receita de nossos avós: arroz, feijão, carne e salada, seguido de uma fruta.

Alguém tem dúvidas de que teríamos uma sociedade mais em forma se comêssemos como nossos avós nos ensinaram? Ou como mães cuidadosas alimentam seus filhos nos primeiros anos de vida? Eu não.

O guia traz ainda dicas muito objetivas e simples, que vale registrar:
· Divirta-se com o que come, mas coma menos!;
· Evite porções gigantes;
· Consuma metade do prato com vegetais e frutas;

· Opte por grãos integrais em pelo menos metade dos alimentos ricos em carboidratos;
· Prefira o leite desnatado ou semi.

· Preste atenção e compare o sódio de certos alimentos tais quais sopas, pães e congelados. Prefira os que tenham menor valor da substância.

· Beba água ao invés de bebidas adoçadas.

Fonte: Cynthia Antonaccio -  http://revistamarieclaire.globo.com

 

Blog_Divider_shabbymissjenndesigns4

25 maneiras de queimar calorias (sem dieta!)

queimar-gordura

Dá, sim, para emagrecer sem passar fome nem fazer plantão na academia. Pequenas mudanças no cardápio e no estilo de vida são su cientes para acelerar o metabolismo, ajudando você a gastar mais energia no dia a dia e dizer adeus às gordurinhas!

Por Eliane Contreras e Helena Dias

 

Comer demais é uma tendência que vem crescendo entre os brasileiros. O dado é de uma pesquisa
da Organização Mundial de Saúde (OMS) que revelou: estamos consumindo cerca de 100 calorias a mais por dia em comparação há oito anos. O nutrólogo José Golbspan, de Porto Alegre, calculou o estrago na balança a longo prazo. “São 700 calorias a mais por semana. Em um ano, esse total representa 4,8 quilos a mais no peso.” E vai piorar. “A estimativa é de que, daqui a 20 anos, as pessoas estejam consumindo mil calorias excedentes por dia”, a rmou a pesquisadora Claudia Stéfani Marcílio, no II Simpósio Internacional de Nutrição Unilever, em São Paulo. Ok, 2030 está longe. Mas por que não começar hoje a estimular o metabolismo? Há várias medidas para isso. Aqui, você também encontra estratégias para segurar o apetite, reduzindo o consumo de calorias. Ânimo! É fácil colocá-las em prática!

1. Durma bem

Passar a noite em claro estimula a produção de grelina – hormônio que aumenta a fome e os estoques de gordura. Uma pesquisa da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, revelou que dormir pouco traz outro prejuízo: reduz o ritmo do metabolismo. “Quando você dorme mal, o organismo entende que precisa economizar energia”, diz a nutricionista Márcia Curzio, do Rio de Janeiro.

2. Turbine os músculos

Quanto mais massa magra tem no corpo, mais você gasta calorias para mantê-la. Segundo o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), os músculos consomem até 30% mais calorias que o tecido adiposo. Isso deixa o metabolismo esperto. E você mais enxuta e definida.

3. Invista num café da manhã proteico

Todo mundo sabe que essa refeição é importante para despertar o metabolismo. Um estudo publicado na conceituada revista americana The Journal of Obesity não só con rmou esse efeito como mostrou que a presença de proteína (ovo, queijo, leite) no café da manhã acelera mais a queima de calorias. E ainda diminui o tamanho da fome ao longo do dia.

4. Masque chiclete

Sem açúcar, claro. E nos momentos em que estiver tentada a comer um doce fora de hora. O chiclete também evita que você que beliscando enquanto cozinha. Além disso, a mastigação consome entre 10 a 15 calorias em meia hora. Mas evite ficar com o chiclete na boca por muito tempo, especialmente se você tiver o estômago sensível.

5. Beba mais água

Ela emagrece de maneira direta e indireta. Vamos à primeira, recém-comprovada por um estudo do Instituto de Pesquisa Oakland, na Califórnia. Beber água antes das refeições estimula o centro de saciedade. Esse mecanismo representa uma economia no consumo de calorias: entre 70 e 90 por dia. A água também participa de reações químicas que levam à queima de gordura e à eliminação de sódio, responsável pela retenção líquida.

6. Mexa-se

Levante mais vezes da cadeira, use a escada no lugar do elevador... “Realizadas com frequência, essas atividades fazem você gastar de 300 a 500 calorias a mais por dia”, diz o personal trainer Rodrigo de Freitas, da Academia Competition, em São Paulo.

7. Vá para a cozinha

Lavar e descascar os alimentos estimula a sensação de saciedade. Portanto, quando prepara a própria comida, você tende a comer menos. Outra vantagem: “Cozinhar queima calorias”, completa Fernanda Pisciolaro, nutricionista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

8. Converse e ande

Sempre que falar ao celular, caminhe. A queima de calorias pode ser mínima. Mas é melhor do que ficar parada e não gastar nada.

9. Corte o açúcar

Ele não oferece nenhum nutriente e tem 4 calorias em 1 grama. Ou seja, só engorda. Pior: assim que é consumido, faz o organismo produzir muita insulina. “Esse hormônio favorece o estoque de gordura e estimula o apetite”, explica Cláudia Cozer, endocrinologista de São Paulo.

10. Consuma salmão

Por ser rico em ômega 3, ele ajuda a reduzir a ansiedade. O que isso tem a ver com calorias? Sob tensão, o organismo produz uma quantidade maior de cortisona. “Em excesso, esse hormônio rouba energia das células e deixa o organismo faminto, especialmente por alimentos calóricos, como pão, massa e doce”, diz o nutrólogo José Golbspan. O ômega 3 faz mais pelas medidas da cintura: desinflama as células e eleva os níveis de serotonina, controlando o apetite. Outras boas fontes: atum, sardinha e linhaça.

11. Inclua queijo na sobremesa

Consumido no fim da refeição, esse alimento aumenta a capacidade do organismo de queimar gordura. O mérito é do ácido linoleico conjugado (CLA) presente no queijo, segundo estudo do Centro de Pesquisa de Alimentos
12. Capricha nas fibras

Uma pesquisa publicada na revista cientí ca americana Journal of Clinical Nutrition mostrou que essas substâncias são capazes de reduzir o peso total e a nar a circunferência da cintura por mais de um motivo. Dão saciedade, retardam o esvaziamento gástrico, seguram o índice glicêmico, varrem as toxinas e estimulam o funcionamento do intestino. Consuma entre 25 e 35 gramas de fibra por dia.

13. Comece o treino pela musculação

O exercício localizado usa o glicogênio estocado no músculo como fonte de energia. “Isso obriga o organismo a acionar os estoques de gordura no exercício aeróbico”, explica Rodrigo de Freitas. É por isso que malhar nessa sequência traz resultado mais rápido na balança.

14. Faça sexo!

Queima cerca de 250 calorias em meia hora. Além disso, aumenta a circulação sanguínea e libera endorfina, hormônio responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

15. Acelera o passo

Percorra os trajetos que você faz à pé no dia a dia como se estivesse atrasada para uma reunião. Andar rápido potencializa o consumo de calorias, até nos percursos pequenos.

16. Alimente-se antes de malhar

Quando você treina de barriga vazia, queima músculos e poupa gordura. Não é esse seu objetivo, certo? Por isso, coma uma fatia de pão com geleia, biscoito ou fruta, alimentos que oferecem energia rápida. Assim, você também garante disposição para uma aula puxada, queimando mais calorias.

17. Escove o cabelo

No lugar de ir ao salão faça sua própria escova. Você economiza grana e gasta calorias. “Meia hora escovando um cabelo médio queima em torno de 75 calorias”, a rma Roberta Estella, nutricionista de São Paulo.

18. Tome leite!

É um alimento com alto teor de cálcio, mineral que estimula a queima de gordura, afirma um estudo do Instituto de Nutrição da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos. Mas que atenta às reações do seu organismo: “Digestão difícil, gases e barriga inchada são sinais de alergia à proteína do leite. Esse processo desencadeia inflamação nas células, resultando em peso extra”, avisa a nutricionista Eliane Tagliari, da Clínica Nutribioforma, em Curitiba. Alternativa: aposte no cálcio vindo dos vegetais como couve, brócolis e gergelim.

19. Aposte na vitamina D

Facilita a ação do cálcio. Além disso, reduz os níveis de radicais livres – moléculas que deixam as células inflamadas e propensas a acumular gordura. Peixe, ovo e leite são boas fontes. Você também precisa se expor 15 minutos ao sol para que a vitamina D se fixe no organismo.

20. Coma amêndoa
Um punhado pequeno (30 gramas) por dia ajuda a enxugar gordura. De acordo com uma pesquisa publicada na revista americana International Journal of Obesity, voluntários que comeram essa oleaginosa por seis meses secaram 18% da gordura corporal diante de 11% dos que não consumiram.

21. Dê mais risada

Quem ri 15 minutos por dia, se livra de pelo menos 40 calorias, segundo um estudo da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos. Em um ano, a demonstração diária de alegria pode resultar em 2 quilos a menos na balança. Já está rindo à toa?

22. Aproveite a casca

É a parte das frutas e legumes que oferece mais fibras – substâncias que fazem o organismo gastar mais energia no processo de disgestão. Mais: “A casca concentra uma boa dose de substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes”, diz Bettina Moritz, nutricionista de Florianópolis.

23. Saia do sofá

Reduzir o tempo em frente à televisão pela metade faz você gastar mais energia ao longo do dia, segundo uma pesquisa da Universidade de Wermont, nos Estados Unidos. Isso porque sobra mais tempo para você andar ou praticar qualquer outra atividade. O mesmo vale para o computador.

24. Cozinhe com óleo de coco

Ele emagrece! De acordo com um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, voluntários que incluíram esse ingrediente na dieta perderam gordura, especialmente na barriga. “O óleo de coco tem ácido graxo láurico – tipo de gordura que facilita a queima de gordura”, diz a nutri-
cionista Fernanda Pisciolaro. Use-o nas receitas em substituição à manteiga ou margarina. Também ca bom batido no suco ou iogurte. Acredite!

25. Vire fã de café

Por ser rico em cafeína – substância com poder termogênico –, eleva a temperatura do organismo e, com isso, acelera o metabolismo. A medida considerada saudável: três xícaras por dia. Sem açúcar, é claro.

 

Fonte: http://boaforma.abril.com.br/

 

Blog_Divider_shabbymissjenndesigns

quarta-feira, 27 de julho de 2011

3 estratégias para perder peso

Mudanças simples que podem fazer toda a diferença

Por Eliane Contreras

 

como-emagrecerAlgumas mudanças de atitude parecem tão simples que é difícil acreditar que possam fazer diferença na dieta. Mas o fato é que funcionam. Selecionamos três ideias para você adotar no dia a dia, sem alterar sua rotina. Aproveite para colocá-las em prática no novo ano e facilitar a perda de peso.

Diário alimentar
Anote tudo o que comer, doce ou salgado. Isso ajuda você a prestar atenção na qualidade e quantidade do que coloca no prato, identificando os deslizes que sabotam a dieta. Não existe um formato ideal para o diário - o melhor é aquele que funciona para você.

Ambiente aromatizado
Mantenha seu canto de trabalho aromatizado com óleo essencial de cravo e canela. "O aroma dessas especiarias age no setor límbico cerebral, atuando nos receptores responsáveis pelo desejo de doce", diz a nutricionista e fitoterapeuta Vanderlí Marchiori, de São Paulo. Se preferir, escolha o cheirinho de baunilha - o efeito antiguloseima é o mesmo.

Porções controladas
Aproveite a balança do restaurante por quilo para conferir se não está colocando muita comida no prato. Segundo a nutricionista Cynthia Antonaccio, de São Paulo, 300 gramas numa refeição é uma boa medida para quem quer perder peso. Divida assim: 120 gramas para os alimentos fonte de proteína, 100 para os grãos (de preferência integrais) e o restante para os legumes e as verduras.

 

Fonte: http://boaforma.abril.com.br

 

ShabbyBlogsDividerK

terça-feira, 26 de julho de 2011

Chocolate sem engordar

 

[#Beginning of Shooting Data Section]
Nikon D80
2007/12/03 18:25:51
Jpeg Fine (8-bit)
Image Size: Large (3872 x 2592)
Color
Lens: 50,0 mm F/1,8 D
Focal Length: 50, mm
Exposure Mode: Aperture Priority
Metering Mode: Multi-Pattern
1/15, s - F/5,6
Exposure Comp.: 0 EV
Sensitivity: ISO 100
Optimize Image: More vivid
White Balance: Auto
Focus Mode: Manual
VR Control: OFF
Long Exposure NR: OFF
High ISO NR: Off
Color Mode: Mode IIIa (sRGB)
Tone Comp.: More Contrast
Hue Adjustment: 0°
Saturation: Enhanced
Sharpening: High
Flash Mode: Built-in, Commander, M x 1/128
Flash Exposure Comp.:  
Flash Sync Mode: Front Curtain
Group A: M x 1/32
Group B: M x 1/32
Image Comment: (c) Petros.Tsonis@gmail.com         
[#End of Shooting Data Section]

Várias pesquisas provaram que o cacau é um alimento extraordinário para proteger o organismo. Ainda assim, muitas mulheres vivem uma relação de amor e ódio com o chocolate, que, em excesso, prejudica a dieta. Mas, se você acertar no tipo e na quantidade, essa delícia até ajuda a emagrecer!

Por Carla Conte

 

Você conhece alguma mulher que não se desmanche por chocolate? Possivelmente não. Considerado pelos antigos maias e astecas alimento dos deuses, ele reúne qualidades que o tornam irresistível. “O desejo desse doce se deve à combinação de sabor e textura – que derrete na boca – com substâncias capazes de promover sensações de bem-estar e disposição”, diz a nutricionista Fernanda Pisciolaro, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso). Boa parte desse poder de sedução vem do cacau. Matéria- prima do chocolate, essa substância libera serotonina (hormônio responsável por gerar prazer) e feniletilamina (antidepressivo natural) no organismo. Também desencadeia reações no cérebro similares àquelas que ocorrem quando estamos apaixonadas. Um estudo britânico revelou, inclusive, que o chocolate poderia ser até quatro vezes mais prazeroso que um beijo. Ok, a ciência explica os motivos pelos quais as mulheres não resistem a essa deliciosa guloseima. Mas como conciliá-la com um corpo em forma? Descubra a seguir três táticas para transformar esse desejo em realidade e, ainda, fazer com que o chocolate vire um aliado da dieta.

A dose e a hora certas

Aqui, três táticas para você se deliciar com chocolate sem engordar. Ou até emagrecer, dependendo da quantidade:

1. Acerte na dose

Uma barra pequena (de 25 a 30 gramas) é a quantidade de chocolate liberada por dia se você não tem problema com a balança. Quem quer emagrecer deve se contentar commenos. A nutricionista Mariana Del Bosco, da Abeso, sugere consumir uma barra pequena quatro vezes por semana ou um bombom (15 gramas, tipo Alpino) por dia. Você também pode reservar no cardápio semanal 500 calorias para a guloseima (o equivalente a 1 barra de 100 gramas) e distribui-las como preferir. Quanto mais fracionar as calorias, menor o risco de acumular quilinhos extras.

2. Escolha a melhor hora

Se o objetivo é fazer com que o chocolate facilite a perda de peso ou não engorde, deixe para consumi-lo:

• Pela manhã e, se possível, em jejum. Em uma pesquisa do Departamento de Nutrição Humana da Universidade Real de Copenhague, na Dinamarca, voluntários que comeram chocolate nesse horário tiveram menos apetite e, com isso, consumiram 15% menos calorias ao longo do dia. “O poder de  diminuir a fome vem do triptofano presente no cacau”, explica a nutricionista Daniela Jobst, da Clínica Nutrijobst, em São Paulo. Esse aminoácido inibe a ação do neuropeptídeo Y, substância que estimula a fome e age especialmente na parte da manhã. Nesse horário, o chocolate tem outra vantagem: “Ele ameniza a produção matinal do cortisol, o hormônio do stress que, em excesso, faz o organismo reter líquido e acumular gordura no abdômen”, diz a nutricionista Abykeyla Tosatti, da Universidade Federal de São Paulo.

• Na sobremesa , um pedaço (pequeno, não esqueça!) também evita que o chocolate engorde. Ao contrário: por concentrar componentes (2-feniletilamina e N-aciletanolamina) que agem no cérebro bloqueando os receptores que despertam a vontade de doce, ele faz você se controlar diante de uma taça de sorvete ou de uma torta com chantili. Já os ácidos fenólicos, presentes em boa dose no cacau, atuam na produção de leptina, substância com o poder de aumentar a saciedade e a queima de calorias, segundo pesquisa da Universidade de Chung Hsing, em Taiwan.

• No lanche da tarde, o segredo é combiná-lo com um iogurte ou uma taça de salada de frutas. Sozinho, o chocolate não mata a fome e você corre o risco de querer mais. Mais uma dica importante: após as 18 horas esqueça o chocolate. A maioria dos episódios de descontrole alimentar acontece no  fim da tarde e, nesse caso, fica difícil você se contentar só com um quadradinho. A exceção é para quem malha nesse horário. E, ainda assim, a recomendação é optar por um achocolatado feito com cacau batido com leite desnatado. De acordo com um estudo da Universidade de Connecticut, nos  Estados Unidos, essa combinação facilita a recuperação dos músculos se consumida após o treino.

3. Aposte no amargo

De todos os chocolates, o amargo é considerado o melhor. Ele concentra uma quantidade surpreendente de fenólicos – antioxidantes que reforçam a imunidade e protegem o coração, além de levantar o humor. Outro ponto forte é o sabor intenso, que permanece por mais tempo na boca – por isso é mais fácil você ficar satisfeita com a porção recomendada de 30 gramas. Mas, para funcionar, escolha uma barra com mais de 40% de cacau e de boa qualidade. “Para baratear o produto, muitos chocolates são acrescidos de açúcar e gordura vegetal (em vez de cacau), reduzindo drasticamente os benefícios nutricionais”, alerta Tamara Mazaracki, nutróloga ortomolecular do Rio de Janeiro. Também evite as versões com biscoitos ou crispies, que só acrescentam calorias ao doce. Ah, cuidado também com as versões dietéticas. Apesar de não ter açúcar, podem carregar mais gordura e calorias que a tradicional. E isso não é bom para quem deseja transformar o chocolate num aliado da dieta.

 

Com qual deles eu vouChocolate

Quanto maior a concentração de cacau, mais benefícios o chocolate promove à saúde e à cintura:

AMARGO

Ingredientes: de 56% a 85% de cacau + pouca manteiga de cacau + pouco açúcar
Calorias: 500*
Antioxidantes: de 250 mg a 450 mg

MEIO AMARGO

Ingredientes: de 40% a 55% de cacau + pouca manteiga de cacau + pouco açúcar
Calorias: 500*
Antioxidantes: cerca de 170 mg

AO LEITE

Ingredientes: de 20% a 39% de cacau + manteiga de cacau + açúcar + leite (e/ou leite em pó e condensado)
Calorias: 530*
Antioxidantes: cerca de 70 mg

BRANCO

Ingredientes: nada de cacau + manteiga de cacau + leite + açúcar
Calorias: 546*
Antioxidantes: inexistentes

Mais truques

Eles evitam que você exagere no chocolate:

• As bebidas quentes, como chá e café, enganam a gula. Isso significa que são boas opções para acompanhar o chocolate.

• Sobremesas lácteas à base de chocolate, como flan ou sorvete light, amansam o desejo de comer uma barra inteira. Banana-passa e barrinha de cereais com cobertura de chocolate também previnem que você vá fundo na caixa de bombom.

 

Fonte: http://boaforma.abril.com.br

 

ShabbyBlogsDividerK

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Excesso de peso pode comprometer cérebro

peso-ideal

Se você tem entre 35 e 60 anos e está com uns quilinhos a mais, fique atento. Segundo um trabalho recém-concluído pela Associação Americana de Neurologia, pessoas na meia idade com IMC acima de 25 apresentam um maior risco de desenvolver algum tipo de demência quando ficam mais velhas. No estudo, cerca de 8 500 irmãos gêmeos foram pesados quando estavam na meia idade e, trinta anos depois, submetidos a uma avaliação neurológica. Entre os que foram diagnosticados com doença de Alzheimer e demência vascular — aquela causada pelo entupimento de vários vasinhos no cérebro —, 39% possuíam sobrepeso e 7% eram obesos por volta dos 35 anos. Essa incidência foi 80% maior em relação às pessoas com IMC abaixo de 25.

Para a endocrinologista Claudia Cozer, do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, a explicação deve estar nos problemas circulatórios que normalmente afetam quem está fora do peso ideal. “Quem é obeso ou está com sobrepeso tem tendência a apresentar um aumento nos níveis de colesterol, pressão e glicemia, o que compromete os vasos sanguíneos”, explica. Quando a circulação é prejudicada, os vasos cerebrais também são atingidos e, em caso de entupimento, deixam de irrigar os neurônios, facilitando déficits cognitivos. Além disso, há indícios de que os mesmos fatores por trás de males vasculares contribuam para o aparecimento do Alzheimer, mal que afeta a memória, o raciocínio e a localização no espaço.

Por que aos 40?

A partir dessa faixa etária ficamos mais sujeitos a alterações de pressão, gordura e açúcar no sangue por causa da queda no metabolismo. Ou seja, os processos que ocorrem dentro do organismo ocorrem de maneira mais lenta, facilitando o aparecimento de distúrbios circulatórios e dificultando um retorno aos padrões ideais.  Assim, fica mais complicado não só perder os quilos extras, como mudar os próprios hábitos, o que gera um círculo vicioso.

Mas cabe um recado a quem tem 40 anos ou mais e sofre para se livrar da gordura acumulada. “Emagrecer não é o mais importante. O ideal é manter-se ativo e adotar uma alimentação balanceada, rica em verduras, frutas e legumes”, esclarece Claudia. Portanto, quem quer garantir uma mente saudável depois dos 70, deve se levantar já da cadeira.

Fonte: Revista Saúde

O benefício do ciclismo

 

 bike Não tem como fugir. Para se manter em forma e saudável, a atividade física deve estar incluída na rotina. E o ciclismo pode ser um forte aliado para quem quer manter a forma mas tem aversão à academia.

“Como toda prática esportiva, o ciclismo traz grandes benefícios ao organismo e ao coração de uma forma global e integrada”, afirma o cardiologista do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, João Vicente da Silveira. “E vale lembrar que é fundamental a utilização de trajes e equipamentos apropriados à prática do esporte, como o uso de capacete”, alerta o médico.

Pedalar é uma das atividades mais completas, pois movimenta todo o corpo. Conheça 10 principais vantagens em andar de bicicleta:

- Combate estresse e depressão: As contrações cardíacas tornam-se mais eficazes e, com isso, o sangue chega mais rapidamente ao cérebro, diminuindo, assim, a incidência de ansiedade, angústia e depressão.

- Melhora relações sexuais: Como ocorre uma tonificação dos vasos das coxas e das pernas, a irrigação sanguínea nos órgãos genitais e vasos pélvicos é intensificada, o que colabora com uma melhor ereção peniana e aumenta a lubrificação vaginal, levando a uma relação sexual prazerosa.

- Emagrece: Combinadas a uma dieta saudável e com baixas calorias, as pedaladas auxiliam na perda de peso, no controle de peso, além de favorecer o emagrecimento, reduzindo a gordura corporal.

- Faz ser mais feliz e ter bom sono: O ato de pedalar estimula a liberação das endorfinas (morfinas endógenas - que fazem com que o indivíduo seja mais feliz), aumenta também os níveis de serotonina (o chamado hormônio da felicidade), gerando o relaxamento, fatores essenciais para um sono saudável.

- Reduz colesterol e triglicérides: Com a prática constante do ciclismo, ocorre consumo das gorduras e diminuição do colesterol total e LDL (colesterol ruim), além dos triglicerídeos.

- Evita o infarto: Ocorre também diminuição da glicemia, controlando a diabetes, que é fator de risco para a formação da placa aterosclerótica, que leva a angina e ao infarto agudo do miocárdio.

- Diminui a pressão arterial: Pedalar com frequência tonifica os vasos sanguíneos (artérias e veias) e faz com que eles relaxem mais facilmente, contribuindo com a diminuição da pressão arterial, que é um importante fator de risco para doenças coronarianas.

- Aumenta a imunidade: com a melhora na contração cardíaca, o sistema imune fica estimulado e eleva a produção de glóbulos brancos, ajudando o organismo a defender-se de vírus e bactérias.

- Melhora a Respiração: O esforço das pedaladas aumenta a freqüência cardíaca, melhorando oxigenação dos pulmões e dos tecidos.

- Garante boa forma e fôlego de atleta: A prática recorrente do ciclismo tonifica os músculos das pernas, além de aumentar o desempenho aeróbico e cardiovascular. Existem outras práticas

“Como toda prática esportiva, o ciclismo traz grandes benefícios ao organismo e ao coração de uma forma global e integrada”, afirma o cardiologista do Hospital e Maternidade São Luiz, João Vicente da Silveira. “E vale lembrar que é fundamental a utilização de trajes e equipamentos apropriados à prática do esporte, como o uso de capacete”, alerta o médico.

Pedalar é uma das atividades mais completas, pois movimenta todo o corpo. Conheça 10 principais vantagens em andar de bicicleta:

- Combate estresse e depressão: As contrações cardíacas tornam-se mais eficazes e, com isso, o sangue chega mais rapidamente ao cérebro, diminuindo, assim, a incidência de ansiedade, angústia e depressão.

- Melhora relações sexuais: Como ocorre uma tonificação dos vasos das coxas e das pernas, a irrigação sanguínea nos órgãos genitais e vasos pélvicos é intensificada, o que colabora com uma melhor ereção peniana e aumenta a lubrificação vaginal, levando a uma relação sexual prazerosa.

- Emagrece: Combinadas a uma dieta saudável e com baixas calorias, as pedaladas auxiliam na perda de peso, no controle de peso, além de favorecer o emagrecimento, reduzindo a gordura corporal.

- Faz ser mais feliz e ter bom sono: O ato de pedalar estimula a liberação das endorfinas (morfinas endógenas - que fazem com que o indivíduo seja mais feliz), aumenta também os níveis de serotonina (o chamado hormônio da felicidade), gerando o relaxamento, fatores essenciais para um sono saudável.

- Reduz colesterol e triglicérides: Com a prática constante do ciclismo, ocorre consumo das gorduras e diminuição do colesterol total e LDL (colesterol ruim), além dos triglicerídeos.

- Evita o infarto: Ocorre também diminuição da glicemia, controlando a diabetes, que é fator de risco para a formação da placa aterosclerótica, que leva a angina e ao infarto agudo do miocárdio.

- Diminui a pressão arterial: Pedalar com frequência tonifica os vasos sanguíneos (artérias e veias) e faz com que eles relaxem mais facilmente, contribuindo com a diminuição da pressão arterial, que é um importante fator de risco para doenças coronarianas.

- Aumenta a imunidade: com a melhora na contração cardíaca, o sistema imune fica estimulado e eleva a produção de glóbulos brancos, ajudando o organismo a defender-se de vírus e bactérias.

- Melhora a Respiração: O esforço das pedaladas aumenta a freqüência cardíaca, melhorando oxigenação dos pulmões e dos tecidos.

- Garante boa forma e fôlego de atleta: A prática recorrente do ciclismo tonifica os músculos das pernas, além de aumentar o desempenho aeróbico e cardiovascular.

 

Fonte: http://bemleve.bolsademulher.com

domingo, 24 de julho de 2011

Culinária - Sorvete caseiro de iogurte com frutas

frozen-iogurte-350

Que tal um sorvete caseiro de iogurte com frutas? Aproveite a época dos morangos e prepare a sobremesa misturando algumas frutas vermelhas. Anote a receita do "4 Ingredientes":

Ingredientes:
2 xícaras de frutas frescas (de sua preferência) picadas grosseiramente
½ xícara de mel
2 ½ xícaras de iogurte natural orgânico

Modo de preparo:
Bata as frutas em um liquidificador até obter uma pasta uniforme. Adicione o mel e o iogurte e misture por completo. Disponha a mistura em um recipiente coberto e leve ao congelador. Retire do congelador 20-30 minutos antes de servir.

 

Bomapetite[4]

Sódio X alimentos processados

 

O sódio deve ser consumido na alimentação de forma moderada, uma vez que seu excesso está relacionado à fatores de risco para o agravo de doenças, assim como a hipertensão. Deste modo a preocupação em relação ao consumo deste nutriente gera diversas discussões e consensos, como pode ser observado em estudo recente, no qual é evidenciado o fato dos alimentos industrializados serem os maiores contribuintes para a ingestão de sódio na dieta da população em geral.

De acordo com o estudo, na Autrália, as indústrias de alimentos começaram a diminuir o sal em uma série de produtos e o objetivo da pesquisa foi monitorar sistematicamente e assim recolher dados sobre o teor de sódio em produtos com diminuição de sódio, para assim comparar aos valores máximos estabelecidos pela Food Standards do Reino Unido. De acordo com os resultados, os grupos de alimentos que apresentaram as maiores quantidades de sódios foram molhos, carnes processadas e pães.

Outra pesquisa foi desenvolvida no Reino Unido com o objetivo de avaliar a redução de sódio nos alimentos processados, visando avaliar se os dados do painel de consumidores domésticos e a compra de alimentos poderia ser usado para avaliar o teor de sódio dos alimentos processados. De acordo com os resultados, os maiores contribuintes em relação ao sódio foram o sal de mesa, carne processada, pãe e outros produtos de panificação, laticínios e molhos prontos. Ainda de acordo com o estudo, sugere-se que os líderes de mercado têm maiores teores de sódio do que a média. Deste modo, deveria haver maior concentração de esforços para a redução de sódio nos produtos mais vendidos, fato que pode levar a grandes reduções de sódio disponível para consumo e, deste modo, promover ganhos para a saúde pública.

Os achados dos estudos evidenciam a quantidade de sódio acima da media, consumida através de produtos industrializados. Deste modo, deve haver intervenções nesta área, para que haja diminuição da adição deste nutriente na formulação dos produtos, contribuindo de forma dierta para a melhora da saúde da população.

 

Fonte: http://www.nutricaoempauta.com.br

sábado, 23 de julho de 2011

Shakes não são balanceados e geram desequilíbrio nutricional

shakes

Shakes geram desequilíbrio nutricional e seu consumo precisa de acompanhamento, afirmam nutricionistas

 

Por mais que as pessoas saibam que o emagrecimento não vem sem esforço, sempre há muita procura pelas soluções milagrosas de perda de peso em pouco tempo. Os shakes emagrecedores são uma dessas soluções para ganhar o corpo dos seus sonhos, mas será que é tudo tão simples assim?

Em duas pesquisas, uma em 2005 e uma em 2010, a ProTeste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) apresentou dados apontando que os shakes de substituição de refeição estão longe da dieta tida como saudável e recomendada por nutricionistas. Eles possuem uma quantidade restrita demais de calorias e de gorduras, além de apresentarem uma porcentagem excessiva das calorias em forma de proteínas e carboidratos.

Pela regra da Anvisa, para substituir uma refeição o shake deve ter (preparado como na instrução do rótulo) pelo menos 200 calorias, o que já é pouco para uma refeição segundo a nutricionista Manuela Dias da ProTeste, mas alguns não apresentam nem isso. As marcas indicam a substituição de uma ou duas refeições principais pelo shake. Para a ProTeste, apenas um lanche pode ser substituído pelo shake, mantendo-se as refeições principais.

Para Dias, os shakes para substituir refeição nem precisariam existir, o emagrecimento deve ser resultado de uma dieta padrão em menores quantidades, reeducando o corpo para uma quantidade de alimento adequada às suas necessidades calóricas. Como os shakes não seguem as proporções dos nutrientes de uma dieta balanceada, a nutricionista acredita que não devem ser consumidos e se forem, precisam ser prescritos por um nutricionista que irá equilibrar os nutrientes com os demais alimentos a serem ingeridos, complementando a refeição.

Eduardo A. F. Nilson da Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde explica que as sete diretrizes brasileiras da alimentação saudável, contidas no Guia Alimentar para a população brasileira, são embasadas no consumo de alimentos  e não na abordagem da dieta a partir de composição de micronutrientes. O uso de substitutos para a refeição como os “shakes” não é recomendado em nenhuma das diretrizes. Uma alimentação saudável e equilibrada deve ser baseada em alimentos, com predomínio de alimentos in natura, como frutas, verduras, legumes, cereais (principalmente os integrais) e alimentos minimamente processados.

Os “shakes” em questão são alimentos altamente processados, baseados numa lógica de Dietas radicais não partem do pressuposto de uma alimentação saudável e se configuram em risco para a saúde segundo Nilson. Para a perda de peso, as mudanças na alimentação e no estilo de vida, acontecem de médio em longo prazo, respeitando o ritmo de cada um. A adoção de dietas radicais (com severa restrição de consumo calórico), como é o caso do uso de “shakes” que “garantem” uma grande perda de peso em um curto espaço de tempo, não se mostram eficazes para o controle e redução de peso, pois o indivíduo pode voltar a ganhar o peso perdido sem benefícios para a saúde, uma vez que na maioria das vezes favorecem a perda de massa muscular, água, eletrólitos e minerais e ao invés de gordura. Por isso, o nutricionista explica que o Ministério da Saúde não recomenda o consumo de “shakes” para substituição de refeições com o objetivo de manutenção ou perda de peso, nem como substituto de refeições.

Como é indicado no guia alimentar do Ministério da Saúde, para o emagrecimento com saúde é preciso adotar um modo de vida saudável, com uma prática alimentar balanceada com consumo de alimentos de preferência in natura ou pouco processados, com realização de ao  menos três refeições ao dia além da adoção de outras atitudes como a diminuição do sedentarismo e aumento do nível de atividade física.

No entanto, para o tratamento do sobrepeso ou obesidade é preciso considerar as diferenças individuais. Para reverter o quadro do excesso de peso/ obesidade é necessária uma mudança no modo de vida, com a adoção de uma vida mais ativa e uma dieta equilibrada, não apenas por um curto espaço de tempo, mas para toda a vida e para toda a família.

A nutricionista da ProTeste pondera que se realmente há o desejo de utilizar algum tipo de shake para substituir refeições e saciar, é preciso consultar um nutricionista que irá programar uma dieta que forneça os nutrientes necessários para se emagrecer com saúde utilizando o shake como um elemento da alimentação.

 

Fonte: http://noticias.uol.com.br

Dormir pouco engorda!

 

Única noite mal dormida pode desacelerar metabolismo.

 

problemas-de-dormir-mal Aqueles que estão na briga com a balança precisam contar mais do que calorias para perder peso. Afinal, cientistas suecosdescobriram que as horas de sono também influenciam na perda de peso, pois uma única noite mal dormida é capaz de desacelerar o metabolismo, fazendo o corpo queimar menos calorias e engordar, segundo notícia publicada nesta terça-feira (17) no Daily Mail.

Durante a pesquisa, 14 estudantes do sexo masculino foram colocados em uma série de condições de sono, como cochilos curtos, privação total e sono normal durante vários dias, enquanto os cientistas mediam as mudanças na dieta, na glicemia, níveis de hormônios e curva metabólica. Uma única noite perdida foi capaz de reduzir o metabolismo basal, que é usado em atividades como a respiração e a digestão, entre 5 e 20%. Os rapazes também apresentaram altas taxas de açúcar no sangue pela manhã, hormônios reguladores da fome, como a grelina e hormônios do estresse, como cortisol.

Christian Benedict, da Uppsala University (Suécia) e líder da pesquisa, comentou que uma única noite mal dormida é capaz de reduzir o gasto de calorias em homens saudáveis: "isso sugere que o sono contribui para regular a queima de energia em humanos ao longo do dia".

Diversos estudos têm observado que pessoas que dormem cinco horas ou menos tendem a engordar e desenvolver problemas relacionados ao aumento do peso, como diabetes tipo 2, mas não conseguiram provar ainda que a privação de sono engorda, o que seria muito mais relacionado ao estilo de vida e à dieta do indivíduo.

Ainda não está claro para os cientistas como a insônia crônica pode contribuir com as alterações hormonais e a obesidade, mas recomenda-se que um adulto saudável durma entre sete e nove horas por noite.

 

Fonte: terra.com.br

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O Pódio das Frutas

salada de frutas

Um verdadeiro coquetel de vitaminas e minerais. Isso é o que as frutas representam. Mas se você quer se deliciar com essas “bombas” sem ganhar calorias, fique ligado nas frutas que vão dominar o seu cardápio.
Atenção! Quem pratica esportes não precisa limitar a quantidade de frutas na alimentação. Isso porque elas são a melhor fonte de vitamina, minerais, fibras, água e a maioria não tem gordura, ou seja, tem poucas calorias. Além de ter todas essas qualidades, as frutas são alimentos fáceis de transportar, não precisam ser cozidos e nem refrigerados. Pronto, agora não tem mais desculpa para recusar comer esse alimento. Ou você acha que as barrinhas de cereais tem mais vantagem?

 

O pódio das frutas

As mais energéticas: açaí (495 kcal em 1 tigela pequena), abacate (235 kcal em 1/2 unidades), caqui (90 kcal por unidade) e figo (90 kcal por 3 unidades)
As menos energéticas: melão (20 kcal em 1 fatia) e pêssego (25 kcal em 1 unidade)
As mais ricas em fibras: açaí (35 g em uma tigela pequena) e goiaba (10 g em 1 unidade)
As mais ricas em carotenóides: manga (3600 mcg em 1 unidade), caqui (1800 mcg em 1 unidade)
As mais ricas em vitamina E: abacate (230 mg em 1/2 unidade), açaí (90 mg em 1 tigela pequena)
As mais ricas em potássio: banana (350 mg em 1 unidade) e uva (296 mg em 1 xícara)
As mais ricas em vitamina C: goiaba (370 mg em 1 unidade) e morango (110 mg em 1 xícara)
As mais ricas em cálcio: açaí (236 mg em 1 tigela pequena) e tangerina (40 mg em 1 unidade)
As mais ricas em magnésio: abacate (100 mg em 1/2 unidade) e banana (30 mg em 1 unidade)
As mais ricas em ferro: açaí (25 mg em 1 tigela pequena) e amora (5 mg em 1 copo médio)

Frutas para esportistas

Os esportistas estão sujeitos a algumas condições que podem ser prevenidas e aliviadas com as frutas
Anemia: açaí, amora, carambola
Artrite: abacaxi, ameixa e maçã
Cãibras musculares: banana, laranja e melão
Diarréia: maçã sem casca e banana-maçã
Digestão pesada: combinar as refeições pesadas com o abacaxi
Prisão de ventre: maçã com casca, ameixa e figo
Fadiga: banana, uva e figo
Retenção de líquidos: a maioria das frutas, por possuir potássio, pode provocar maior perda de líquido.
Baixar o colesterol: maçã, pêra, abacaxi e pêssego

Ameixa, tônico antiestresse

Contém alta quantidade de fibra sorbitol que estimulam o movimento intestinal e favorecem a evacuação. Dependendo da coloração da fruta, a quantidade de vitaminas que possuem pode variar: as claras são as mais doces e ricas em carotenos, e as com coloração escura contêm mais ferro. Sua riqueza em vitaminas B e C torna essa fruta uma aliada contra o estresse e o suco de ameixa alivia a gota, o reumatismo, a artrite e problemas articulares.

Damasco, a fruta da pele

Tem alto teor de caroteno (provitamina A), vitamina que previne o câncer, regenera os tecidos, e favorece o bronzeado. É rica em ferro, magnésio, potássio, zinco e vitaminas B1, B2 e C. Um verdadeiro coquetel contra a fadiga. E só tem 47 kcal.

Figo, para os ossos

Tem cálcio, por isso, é recomendado para esportistas e ajuda a prevenir a osteoporose. Contém benzaldeido, um agente anticancerígeno, flavonóides e uma enzima chamada ficina que ajuda a digestão das proteínas. Além disso, possui ferro, potássio e fibra. As avós utilizavam o látex branco (líquido que sai da planta ao ser cortada) para eliminar as verrugas. Na ásia, o figo é considerado um afrodisíaco natural.

Maçã, o presente de Eva a saúde

Ela é rica em fibra solúvel, regula o colesterol, protege o coração e equilíbra a função intestinal, tanto no caso de diarréia como de prisão de ventre. Contém vitamina C, potássio e é hidratante.

Banana, a barrinha energética

É o alimento dos campeões. Uma comida rápida, ideal para recarregar as energias. Quanto menos maduras, mais ricas em amido. A banana previne as cãibras musculares por sua riqueza em potássio. Também tem magnésio e vitamina B6, vital para levantar seu ânimo e ajudar no metabolismo do corpo.

Melão, o diurético mais natural

É típico das frutas de verão. É rica em potássio (diurético), betacaroteno, vitaminas e com poucas calorias. Quanto mais amarelo o melão, maior é a quantidade de carotenos - responsáveis pelo cuidado de sua pele, melhorando também o seu bronzeado. É considerada uma fruta anticoagulante e um aliado na prevenção de trombose e infartes.

Pêssego, a fruta saborosa

Rica em vitamina C e potássio. Regula o intestino, pois é rico em fibras. Tem baixo teor calórico.

Açaí, o pentacampeão

Esta frutinha amazônica, muito badalada entre os esportivas, sem dúvida nenhuma é pura energia! Rico em vitamina E, o açaí pode ser considerado um poderoso antioxidante. Além de ser rico em cálcio e ferro, que auxiliam na efetiva contração muscular. O alto teor de fibras pode ser ainda maior quando na tigela de açaí vai granola misturada.

Nectarina, o pêssego de pele suave

É uma fruta muito parecida com o pêssego. Contém provitamina A, vitamina B3, ácido fólico, potássio e fibra. Ajuda a regular o colesterol.

Pêra, para refrescar

A pêra é uma fruta que deve ser ingerida madura. É rica em pectina, fibra que regula o intestino melhorando a flora intestinal; contém minerais como o selénio (antioxidante), zinco (aumenta a imunidade) e potássio (diurético e hipotensor). Para os esportistas é uma fruta muito completa.

Abacaxi, para digestão

A cozinha oriental combina pratos com carnes e abacaxi porque favorece a digestão das proteínas. Essa fruta tem uma enzima chamada bromelina. É rica em vitamina C.

Melancia, menos calorias

Se seus problemas são os quilinhos a mais, encha sua geladeira de melancia . Você vai poder comer quantos pedaços quiser, pois é a fruta que tem menos calorias (18 kcal/100 g). É rica em água, fibra , potássio (diurético), vitaminas A, B6 e C e magnésio.

Uva, limpa seu corpo das toxinas

Uma das frutas que trazem mais benefícios para a saúde. É remineralizante, diurética, depurativa, energética. Contém taninos adstringentes, polifenois, resverastrol (principalmente nas uvas escuras) e substâncias com capacidade antitumoral. Uma alimentação rica em uvas garante boa saúde e limpa seu organismo de toxinas.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Proteína: quanto botar no prato?

Ela prolonga a saciedade e, daí, facilita o emagrecimento. Por outro lado, se consumida em excesso, pode elevar o risco de tumores e doenças cardiovasculares. Por isso, vale questionar até que ponto aumentar a porção

por LÚCIA NASCIMENTO

 

cafe-da-manha Imagine um time de futebol em que todos os jogadores são atacantes — sem goleiro, zagueiros ou meio-campistas. Seria um caos, não? A equipe inteira estaria focada em marcar gol, mas não haveria ninguém para defender e criar jogadas. Agora, transponha essa situação para o nosso organismo, que precisa de vários nutrientes para obter energia, reparar tecidos e se proteger de invasores. Sem substâncias com diversos papéis, também ficamos alvos de desfalques, que, nesse caso, significam ceder espaço a distúrbios. Não é por menos que os especialistas repetem o velho mantra de equilibrar a dieta e colocar na balança as vantagens e as desvantagens de aumentar o consumo de um nutriente específico. A bola da vez, há algum tempo, é a proteína.

Duas pesquisas esquentam a discussão sobre incrementar ou não a oferta proteica ao cardápio. O primeiro, da Universidade Purdue, nos Estados Unidos, aponta o lado positivo dessa estratégia: a proteína, de fato, aumenta a saciedade e evita ataques à geladeira à noite. "A digestão desse nutriente é mais difícil e lenta. Então, ele passa mais tempo no estômago", diz a nutricionista Marina Romanini, da Universidade Federal de São Paulo.

No entanto, o nutriente não escapa de acusações. Outro trabalho, este da Universidade de Aberdeen, na Escócia, sugere que os fãs de menus hiperproteicos correm maior risco de câncer no intestino. É que os mais fanáticos pelo ingrediente muitas vezes deixam de lado carboidratos e vegetais. "Aí a dieta se torna mais rica em gordura e fornece menos vitaminas e minerais, abrindo espaço para diversas doenças", concorda a nutricionista Rosana Maria Cardoso, do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista.

Será que vale a pena, então, enfrentar esse risco com o intuito de emagrecer? Segundo os especialistas ouvidos por SAÚDE, a resposta é não. Para eles, a recomendação de ingestão diária preconizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já contempla a dose saudável e segura. "O ideal é consumir entre 0,8 e 1,2 grama de proteína por quilo de peso corporal todo dia", orienta a nutricionista Paula de Oliveira, do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Uma pessoa de 60 quilos, por exemplo, deve comer cerca de 60 gramas por dia — e, pelas páginas desta reportagem, você terá bons exemplos de como suprir essa cota.

O QUE REALMENTE DIMINUI A VONTADE DE COMER

Há anos a proteína carrega a fama de ser um nutriente pró-emagrecimento. E o trabalho americano reforça esse status. "Na absorção das proteínas, ocorre um aumento no gasto de energia corporal, maior do que o provocado por carboidratos e gorduras", afirma Paula. Se o organismo trabalha a mais, também torra calorias. O segredo da dieta hiperproteica, contudo, está ligado à redução dos carboidratos, o que propicia uma queima dos estoques de gordura. "Sem o excesso deles, essas reservas são destruídas", diz a nutricionista Livia Yokomizo, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. "Além disso, a queima libera substâncias que atuam no sistema nervoso, aumentando a saciedade."

Apesar dessa vocação para promover sensação de barriga cheia, a dieta farta em proteína está saindo de moda. "Saciedade por saciedade, é preferível recorrer às fibras", dispara Marina. Essas substâncias fornecidas por frutas, verduras, legumes e cereais integrais também passam devagarinho pelo estômago e, mais do que isso, estabilizam o funcionamento do intestino, facilitando a tarefa de enxugar as medidas.

 

Fonte: http://saude.abril.com.br

Romã - Indispensável na sua alimentação

 

Roma

 

É uma fruta exótica, rica em propriedades benéficas para o organismo e para a saúde. Ajuda a baixar os níveis de coleterol e de tensão arterial, para além de nos proteger das constipações, visto ser uma fonte de vitamina C.

• Como escolher?

Quanto mais pesadas forem, mais saborosas são. Tenha também em conta se não têm cortes nem estão “amassadas”, bem como se têm uma casca rija e de cor viva. As romãs originárias do Afeganistão, de tom vermelho muito vivo e cerca de 10 centímetros de diâmetro, são conhecidas como as melhores do mundo!

• Porque é tão saudável?

- Não tem gordura alguma, apenas hidratos de carbono que dão energia de forma imediata, e também uma enorme quantidade de água que lhe confere uma suculência incomparável e ajuda a manter o corpo saudável e hidratado.

- Tem uma quantidade significativa de potássio , o que ajuda a repor o nível hídrico das células. Isto traduz-se em melhorias do sistema nervoso e muscular e também redução da tensão arterial.

- É rica em substâncias antioxidantes, como vitamina A e vitamina C, que ajudam a controlar os níveis de colesterol.

- Possui uma acção anti-inflamatória, digestiva e purificadora do sangue.

• Como nos beneficia?

- É uma fruta recomendada para diabéticos por ter quantidades quase nulas de sacarose. Para além disso ajuda a emagrecer porque é pouco calórica e tem um ligeiro efeito diurético. Ajuda na digestão e é indicada para problemas gastrointestinais como diarreia, úlceras ou flatulência, bem como na prevenção das hemorróidas. É ainda uma excelente aliada contra o stress, hipertensão, colesterol alto doenças cardiovasculares e até mesmo cancro, principalmente da próstata.

Do Jardim do Éden à Era de Aquarius - O Livro da Cura Natural - Greg Brodsky

 

DOJARD~122

 

Lançamento Gênesis do Conhecimento

Do Jardim do Éden à Era de Aquarius - O Livro da Cura Natural - Greg Brodsky

Sinopse:

O mais completo guia, em língua ocidental, para a prática das disciplinas de cura natural e espiritual.

. A massagem oriental (acupuntura com os dedos) e a massagem sueca, e sua utilização na prevenção e cura das doenças.

. Os exercícios de respiração e meditação para diminuir a tensão e auxiliar a eliminação de bloqueios energéticos.

. As artes orientais da Yoga, do Aikido e T'ai Chi Chuan.

. A importância terapêutica da água e como usá-la interna e externamente.

. As propriedades nutritivas e medicinais dos alimentos.

. O uso do jejum e a dieta sazonal adequada às necessidades de cada organismo.

. A utilização das ervas para combater mais de 200 doenças e distúrbios.

. Os aspectos espirituais da vida natural.

. Os princípios da Acupuntura.

. Os métodos de controle mental utilizando as "ondas Alpha".

. E inúmeras outras informações para o tratamento e a preservação da saúde através de meios naturais.

Links:

Rapidshare:
http://www.rapidshare.com/files/1802197975/Do_Jardim_do_Éden_à_Era_de_Aquarius_-_O_Livro_da_Cura_Natural_-_Greg_Brodsky.pdf

Mediafire:
http://www.mediafire.com/download.php?z3kjw749llw37ub

4 shared

http://www.4shared.com/document/TZZFxRLR/Do_Jardim_do_den__Era_de_Aquar.html

 

Fonte:  Grupo “Genesis do Conhecimento”

quarta-feira, 20 de julho de 2011

10 Motivos Para Consumir o Óleo de Coco Extra Virgem

Coconut

 

1 - Ação ANTIOXIDANTE – Colabora na diminuição da produção de “Radicais Livres”! Isto se deve principalmente a ação direta da vitamina-E presente na “Gordura de Coco Extra Virgem” composta por 8 frações desta vitamina; 4 tocotrienóis (alfa, gama, delta e teta) e 4 tocoferóis (alfa, gama, delta e teta).

Contrário a outras gorduras, principalmente em relação aos óleos poliinsaturados, a gordura de coco diminuiu as necessidades de vitamina E do organismo.   

2 – COLESTEROL -  Ajuda na redução do mau COLETEROL – LDL e evita que o mesmo se oxide. Por outro lado, promove a elevação do bom COLESTEROL - HDL contribuindo assim na prevenção e tratamento das doenças cerebrais e cardiovasculares.

3 – Colabora no processo do EMAGRECIMENTO – De fácil absorção, a gordura de coco é a melhor fonte de TRIGLICERIDEOS DE CADEIA MÉDIA, não necessita de enzimas para sua digestão e metabolismo. No fígado, estes triglicerídeos rapidamente se transformam em energia, desta maneira não se depositam no organismo. Por isso ela é considerada “termogênica”, ou seja, capaz de gerar calor e queimar calorias. Esta propriedade, aliada a capacidade que a gordura de coco tem de estimular a glândula tireóide, aumenta o metabolismo basal e, conseqüentemente: EMAGRECE!

4 – Melhora o sistema IMUNOLÓGICO - agindo na prevenção e no combate aos VERMES – BACTÉRIAS e FUNGOS, restabelece a energia “roubada” por estes agentes. Conseqüentemente melhora a absorção dos nutrientes aumentando todas as defesas do organismo.  A gordura de coco apresenta a maior concentração de Ácido Láurico, dentre todas as gorduras vegetais.

Em outras palavras, é o mesmo  ácido graxo presente no leite materno!

No organismo o Ácido Láurico é convertido em monolaurin que tem ações para combater inúmeras infecções. Mais recentemente em 1992, Isaacs e colaboradores confirmaram todos estes estudos.

Ainda em relação ao ácido láurico, veja a declaração da Dra. Mary Enig, uma das maiores autoridades mundiais em relação a estudos sobre gorduras, principalmente no que se refere à GORDURA DE COCO EXTRA VIRGEM, leia-se ÀCIDO LAURICO. Este artigo foi por ela publicado em setembro de 1995 no “Indian Coconut Journal”:

O MONOLAURIN, cujo precursor é o àcido LÁURICO (C-12), destrói a membrana  lipídica que envolve os vírus e, também ele inativa bactérias, levedura e fungos.” E acrescentou: “Dentre os ácidos graxos saturados, o ácido láurico tem mais atividade anti-viral do que os ácidos caprílico (C-10) e mirístico (C-14). A ação atribuída ao MONOLAURIN é que ele solubiliza (dissolve) as gorduras...do envolve que envolve os vírus, destruindo assim sua capa protetora”.(Estes números e o C - significam a quantidade de átomos de carbono dos ácidos graxos).

Dentre centenas de outros trabalhos científicos, hoje a GORDURA DE COCO EXTRA VIRGEM é capaz de ajudar a combater uma infinidade de bactérias, leveduras, fungos e vírus, tais como: sarampo, herpes, estomatite vesicular e Cytomegalovirus (CMV), Epistein Bar vírus,  vírus da hepatite C (HCV), AIDES (HIV), H. pylori, giárdia, cândida, cryptosporidium e outros parasitas intestinais.

5 – Regula a FUNÇÃO INTESTINAL – Tanto nos casos de prisão de ventre ou mesmo nas diarréias, os componentes da gordura de coco agem normalizando as funções intestinais. Ao mesmo tempo o ácido láurico, através do monolaurin, ajuda a eliminar as bactérias patogênicas (inimigas), protegendo e favorecendo o crescimento da “flora amiga”.

6 – Tireóide - Melhora o funcionamento da TIREÓIDE, tendo ainda ação “Anti-Envelhecimento” – Estudos realizados há mais de 30 anos comprovaram que a gordura de coco estimula a função da glândula TIREÓIDE. O bom funcionamento da TIREÓIDE faz com que especificamente o mal COLESEROL – LDL, através de processo enzimático, produza os hormônios antienvelhecimento: PREGNENOLONA, PROGESTERONA e DHEA (dehidroepiandrosterona). Todas estas substâncias são necessárias na prevenção de Doenças Cardiovasculares, Senilidade, Obesidade, Câncer dentre outras doenças crônicas relacionadas à idade.

7 - Ação COSMÉTICA – A maioria das loções e cremes comerciais é constituída predominantemente de água. Estas preparações úmidas são rapidamente absorvidas pela pele seca e enrugada. Assim que a água entra na pele, o tecido é expandido como um balão com água, então as rugas desaparecem e a pele se torna mais macia. Porém, tudo isto é temporário. Em poucas horas a água é absorvida e levada para a corrente sangüínea e, tanto a secura como as rugas reaparecem. Além de não resolver o problema de hidratação e das rugas, estes cremes ou óleos refinados estão quase sempre oxidados, trazendo consigo uma montanha de radicais livres, que agravam cada vez mais o tecido elástico da pele tornando-a mais envelhecida.

A gordura de coco pode ser aplicada diretamente sobre a pele e mesmo nos cabelos, funcionando com um “condiocinador” natural, para isso é só massagear os cabelos com 1 colher das de sobremesa antes do banho. Além de hidratar a pele e não conter radicais livres, previne rugas numa verdadeira ação antienvelhecimento. Isto se deve a “lubrificação” da pele, permitindo que os nutrientes do sangue cheguem até ela.

8 – Ação Dermatológica – Além do poder bactericida na pele, pode ser utilizada como cicatrizante de feridas, picadas de insetos, alívio em queimaduras e, sobretudo nos eczemas e dermatites de contato, bem como no tratamento do herpes e candidíase.

9 – Diabéticos – Controla a compulsão por CARBOIDRATOS – Assim como os alimentos ricos em fibras ajudam a manter níveis estáveis de insulina no sangue, conseqüentemente facilitando a vida dos DIABÉTICOS, a gordura de coco proporciona uma sensação de saciedade ainda maior e, acima de tudo não estimula a liberação de insulina, contribuindo desta forma para diminuir o “craving” compulsão por carboidratos, principalmente a doces. Contrário aos demais óleos poliinsaturados que dificultam a entrada da insulina e nutrientes para dentro das células, deixando-as literalmente “famintas”, a gordura de coco “abre as suas membranas”, não somente permitindo que os níveis de glicose e insulina se normalizem, como também melhorando sua nutrição, restabelecendo os níveis normais de energia. 

10 – Fadiga crônica e Fibromialgia -Até recentemente estas duas entidades não eram reconhecidas pela medicina tradicional. Somente agora após uma grande divulgação na mídia da melhora clínica de milhares de pacientes, é que o tradicional “stablischment”, deu mão a palmatória, chegando mesmo a ser reconhecida pelo FDA, quando liberou um medicamento para combater este mal.

Estas duas entidades muitas vezes se confundem e, há autores que afirmam que ambas têm a mesma etiologia. Porém a esmagadora maioria da classe médica ainda insiste em afirmar que estas duas afecções são na realidade um quadro depressivo mascarado, devendo por isso mesmo ser tratada com antidepressivos.

Enquanto na Fibromialgia predomina o sintoma DOR, na Síndrome da Fadiga Crônica, o CANSAÇO é a tônica. Em outras palavras:

FADIGA CRÔNICA     =      (Sinônimo de) CANSAÇO

FIBROMIALGIA         =       (Sinônimo de)   DOR

A Fibromilagia pode ser considerada um processo reumático, que freqüentemente acomete o pescoço, região lombar, ombros, nuca, parte superior das coxas, joelhos, nádegas, cotovelos e parte superior do tórax. É importante lembrar que os fenômenos dolorosos podem acometer qualquer parte do corpo.

Tanto a dor quanto o enrijecimento matinal é mais acentuado pela manhã, que muitas vezes é acompanhado de: insônia, dor de cabeça, depressão, mente embotada, desorientação, alterações digestivas, tonteiras, ataque de pânico e vermelhidão facial.

O sistema imunológico de uma pessoa afetada, freqüentemente é hipersensível a muitos fatores, tornando o indivíduo hiperalérgico a muitos alimentos. Estes sintomas podem ser agravados por outras alergias, falta de sono, estresse e infecções agudas.

Dentre as causas associadas a estas duas patologias destacamos: Herpes Zoster, Epstein – Barr Virus (o vírus do beijo), Mononucleose infecciosa, Resfriados e Estados Gripais, Deficiência nutricional, Intoxicações por metais pesados (mercúrio, chumbo, arsênico, cádmio, flúor, cloro, dentre outros), finalmente a deficiência de sais minerais e, o eterno desafio do homem, o estresse!

Hoje, a gordura de coco EXTRA – VIRGEM, talvez seja uma das melhores soluções para combater a Síndrome da Fadiga Crônica e Fibromialgia.

Os ácidos gordurosos de cadeia média, sobretudo o Láurico, podem eliminar vírus como os do Herpes e Epstein-Barr, que se acredita sejam os grandes responsáveis por estas entidades. Combate e ajuda eliminar cândida, giárdia e ameba. Ainda eliminam uma grande quantidade de vírus, bactérias e até mesmo certos vermes que podem estar relacionados à estas duas patologias.

A grande maioria dos médicos acreditam que não é um único tipo de vírus ou bactéria os responsáveis pela Síndrome da Fadiga Crônica e, mesmo da Fibromialgia, mas sim, a combinação de vários agentes e fatores. Nestas condições a gordura de coco age neutralizando uma gama enorme destes agentes infecciosos. Melhora o sistema imunológico, elimina o estado de ESTRESSE sofrido por ele. Em fim, por aumentar nosso metabolismo e por recuperamos nossa energia plena, nos sentimos “mais jovens”, com capacidade para realizar nossos sonhos !

Lembre-se que não há contra-indicações para seu uso, na dúvida, consulte seu médico.

Sérgio Puppin, MD.
Cardiologista e Nutrólogo CRMRJ 52-133209

 

 

Fonte:http://www.oleodecoco.com/

 

 

leitedecoco

Óleo de coco: dá-lhe benefícios!

Esse alimento natural diminui a sensação de fome, deixa a saúde em dia e rejuvenesce. Não é o máximo?
Por Bianca Iaconelli

Muito comentando atualmente, o óleo de coco deve fazer parte de suas refeições diárias. Por que? Ele é rico em gordura TCN, a chamada “gordura do bem”, aumenta a sensação de saciedade, ajuda a controlar o colesterol, é repleto de antioxidantes, que atua no combate ao envelhecimento, e em ácido láurico, que potencializa a imunidade.
O óleo de coco vem da própria fruta e pode ser consumido de diversas formas. Segundo a nutricionista Carolina Ribeiro, você pode usá-lo para cozinhar, pois ele não se transforma em gordura trans no calor no fogo como as outras opções. “Além disso, como tem gosto e cheiro bem característicos fica uma delícia se colocar no lugar do óleo comum em receitas de peixes e arroz.” Você também pode ingeri-lo na versão pura: como deve ser guardado na geladeira, pode comer até uma colher de sopa por dia. Passar em uma torrada integral ou pão light, na hora dos lanchinhos entre uma refeição e outra, também é uma boa pedida! À venda em lojas de produtos naturais.

Fonte: http://www.revistashape.com.br

Óleos que emagrecem!

 

Óleo é gordura. E gordura é megacalórica (tem 9 calorias em 1 grama). Portanto engorda, certo? Nem sempre!

 

oleos-materia Os óleos funcionais, provenientes de sementes e de frutas oleaginosas (linhaça, gergelim, castanha-do-pará, macadâmia e amêndoa), facilitam a perda de peso. Mas, antes de achar que essa notícia é loucura, vamos aos dados científicos.
Um estudo realizado pela Universidade de Navarra, na Espanha, mostrou que, por conter ômegas 3, 6 e 9, os óleos funcionais são anti-inflamatórios - ação que ajuda a regular os hormônios. Na prática, o que você sente: ciclo menstrual equilibrado, TPM mais suave, menos inchaço e menor propensão em acumular gordura na barriga (yes!).

Todos eles têm o poder de facilitar a perda de peso. Mas cada um tem sua particularidade: um tipo de fibra especial, um componente que mantém as toxinas à distância...


GERGELIM:

Feito da sementinha branca, amarela, vermelha ou preta, carrega ômegas 6 e 9 - ácidos graxos que combatem a inflamação das células, deixando você menos resistente à perda de peso. Só ele tem sesamol. "Essa substância protege o fígado de processos oxidativos", diz o nutrólogo José Irineu Golbspan, de Porto Alegre. Isso significa menor risco de o organismo acumular toxinas e gordura. As lignanas, um tipo de fibra que ajuda a reduzir o colesterol ruim, também são destaque nesse óleo.
Como usar: uma colher de sopa do óleo puro, ainda em jejum. Pela manhã, ele oferece o benefício de lubrificar o intestino, que passa a funcionar melhor.  Também vai bem na salada de folhas verdes ou de grãos e em molhos orientais.


MACADÂMIA:

É uma ótima fonte de ômega 9, capaz de reduzir o açúcar no sangue - ação que amansa a fome e o risco de o organismo estocar gordura. Essa mesma substância dá ao óleo o poder de promover a quebra das células de gordura perigosa ao fígado e ao coração. Também tem ômega 7 - um ácido graxo presente naturalmente no organismo e essencial para manter a pele jovem. Mas, por volta dos 30 anos, ele deixa de ser produzido na mesma quantidade e a reposição com os alimentos passa a ser ainda mais valiosa.
Como usar:
duas colheres de sobremesa por dia na salada.


LINHAÇA:

Extraído da semente dourada ou marrom, é campeão em ômega 3 - tem quase 60% desse ácido graxo, o dobro da dose encontrada no óleo de salmão, aclamado como a grande fonte dessa gordura boa. E o que esse nutriente tem a ver com perda de peso? Reduz os processos inflamatórios, dificultando a formação de depósitos de gordura. Outra ação: prolonga a sensação de saciedade, evitando que você exagere nas calorias.
Como usar:
duas colheres de sopa por dia na salada, associado ao azeite de oliva para melhorar o sabor.


CASTANHA DO PARÁ:

É um dos mais nutritivos. Além das substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes aliadas do corpo enxuto, ele tem cálcio, fósforo, magnésio, potássio, cobre - nutrientes bons para a manutenção dos músculos, dentes e ossos. "Também é fonte de vitaminas A, C e E, que participam da renovação e manutenção celular", afirma Golbspan. Mas o bom moço dessa história é o selênio. Cientistas da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, concluíram que o mineral ajuda a prevenir o câncer e a proteger o coração.
Como usar: uma colher de sopa por dia no peixe, no frango grelhado ou na verdura refogada, sempre depois de prontos.


AMÊNDOA DOCE:

Não confunda com aquele óleo cheiroso, que você compra na farmácia para passar na pele. Essa versão, própria para consumo, é rica em vitamina E. Por isso ajuda a combater os radicais livres - moléculas que se ligam às células de gordura, dificultando a perda de peso. Na comida, ele também contribui ainda para que a pele fique mais lisinha.
Como usar:
até três colheres de chá ao dia. Adocicado, combina bem com saladas e frutas, como manga, pêssego e melão, ou no doce.


GIRASSOL:

Esse óleo ajuda a amansar  a fissura em doce. O segredo? Contém triptofano, precursor da serotonina - hormônio que dá uma levantada no humor. E, bem humorada, você tende a esquecer do chocolate e da goiabada. Mas é a presença de magnésio e selênio que mais chama a atenção dos especialistas. "Os estudos sugerem uma relação inversa entre a ingestão dessa dupla de minerais e a incidência de câncer, provavelmente por induzirem reparos no DNA", afirma Golbspan. O selênio e o magnésio também equilibram a pressão alta e previnem crises de enxaquecas.
Como usar:
duas colheres de sopa por dia em pratos salgados, como massas e ensopados, sempre depois de prontos.


COCO:

Apesar de não ser um óleo extraído de sementes nem frutas oleaginosas, está sendo bem cotado contra os quilinhos a mais. Uma pesquisa da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, provou que aliar o óleo de coco a uma dieta de baixa caloria derrete sete vezes mais a gordura da barriga. Isso porque ele age contra essas inimigas de diferentes formas: aumenta a saciedade, reduz a liberação exagerada de insulina, melhora  o funcionamento do intestino e acelera a queima de gordura.

Tem mais: O consumo do óleo de coco reduz a compulsão a carboidratos, especialmente doce.

Para quem tem receio do produto engordar, é bom saber: ele é fonte de TCM (triglicerídeos de cadeia média). "Quando chegam  ao fígado, essas substâncias viram energia rapidamente e, por isso, não são acumuladas na forma de gordura". Ah, detalhe: pode substituir outros óleos no preparo da comida. Mesmo submetido ao calor intenso, a gordura não satura e as propriedades terapêuticas são mantidas intactas.
Como usar:
até duas colheres de sobremesa por dia, no preparo dos alimentos em substituição ao óleo comum, ou cru batido no suco, no iogurte ou shake.

fonte: Revista Boa Forma

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Receita - Bolo de frutas para diabéticos

 

A receita leva apenas frutas, suco e farinha e pode ser consumida em dietas com restrição de açúcares.

 

Fonte: http://gnt.globo.com

 

Bomapetite

Substitutos da gordura alimentar sem calorias provocam aumento de peso

pringles-e1308686478620

Sempre alertei para o problema de ceder à componente hedónica da alimentação ao substituir o açúcar e gordura com substâncias químicas sem calorias. O corpo é sensível a estes compostos e não se deixa enganar facilmente. De acordo com um novo estudo publicado pelaAmerican Psychology Association, os substitutos sintéticos da gordura sem calorias, usados pela indústria para reduzir a densidade energética de alguns produtos, podem contribuir para o aumento de peso e obesidade.

Este estudo, conduzido por investigadores da Universidade de Pardue, desafia o senso comum de que os alimentos feitos com substituitos acalóricos das gorduras ajudam a perder peso. "O nosso trabalho mostra que os substitutos de gordura podem interferir com a capacidade do corpo em regular a ingestão alimentar, o que pode levar ao uso ineficiente de calorias e aumento de peso", disse Susan Swithers, a investigadora principal e professora de psicologia em Pardue. O estudo foi publicado recentemente no journal Behavioral Neuroscience, uma publicação da American Psychology Association.

A equipa alimentou ratos com dietas high-fat, low-fat ou ração normal. Metade dos ratos em cada grupo também ingeriu batatas fritas normais, ricas em gordura e energia. A outra metade consumiu as mesmas batatas em alguns dias e outras menos calóricas noutros dias. Estas batatas eram feitas com olestra, um substituto de gordura sintético sem calorias e indigerível.
Nos ratos alimentados com uma dieta rica em gordura, o grupo que comeu os dois tipos de batatas fritas consumiu mais alimento, ganhou mais peso, e desenvolvou mais tecido adiposo do que os ratos que apenas comeram as batatas fritas hipercalóricas. Os ratos também não perderam o peso extra após remoção dos substitutos de gordura da sua dieta. "De acordo com estes dados, uma dieta pobre em gordura e calorias deverá ser uma melhor estratégia para perder peso do que o uso de substitutos hipocalóricos de gordura", disse Swithers.

No entanto, a investigadora salienta que é difícil extrapolar resultados laboratoriais de ratos para pessoas, mesmo quando as suas respostas comportamentais à comida são semelhantes.
Porque razão um substituto artificial da gordura alimentar irá confundir o organismo? Propriedades organolépticas como o sabor doce e gorduroso indicam ao corpo uma grande densidade energética e o sabor potencia várias respostas orgânicas, incluindo o salivar, secreções hormonais e reacções metabólicas. Os susbtituitos sintéticos de gorduras podem interferir com esta relação quando o corpo espera receber uma grande quantidade de energia mas é enganado com um composto artificial sem valor calórico.

Swithers tinha já relatado resultados semelhantes em estudos prévios com adoçantes artificiais que promovem o ganho de peso e gordura corporal. A utilização de substitutos de gordura e edulcorantes aumentou dramaticamente nos últimos 30 anos, espelhando a tendência crescente da obesidade na América e no Mundo. As pessoas que procuram perder peso viraram-se para estes compostos artificiais como forma de reduzir as calorias sem se privarem dos alimentos que gostam, normalmente ricos em açúcar e gordura.

As pessoas optam pelo caminho fácil e gostam muito pouco de mudar os seus hábitos. Não se devem consumir doces, então magicamos os edulcorantes artificiais. As gorduras têm muitas calorias, então inventamos o olestra. Fazer exercício é bom? Então veio o Wii fit. Ao invés de deixar-mos de comer determinados alimentos que reconhecemos como prejudiciais, tudo fazemos para os alterar de forma a atenuar o seu impacto e enganar o organismo. Infelizmente ele não é tão ingénuo assim.

 

Fonte: http://www.fat-new-world.com

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Evite a frutose e mantenha o peso

 

Frutose (1)

O excesso desse açúcar originário das frutas faz você engordar ao cometer qualquer deslize

por Lúcia Helena de Oliveira

 

Não quer ver ponteiro da balança subir de uma hora para a outra? Então, comece a controlar o seu consumo de frutose, presente aos montes em alguns sucos industrializados, por exemplo. Segundo pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Flórida, em Gainesville, nos Estados Unidos, o excesso desse açúcar vindo das frutas deixaria seu corpo resistente à ação de um hormônio que tem tudo a ver com a prevenção da obesidade: a leptina.

Essa substância é responsável pelo delicado equilíbrio entre a fome, quer dizer, a necessidade de obter energia para viver e a quantidade de calorias que seu corpo efetivamente gasta. Se tudo está bem, sua fome deve ter a mesma proporção que seu gasto energético. O apetite de leão de um adolescente, por exemplo, é coerente com o consumo de energia do seu corpo em franco desenvolvimento.

“Quando a resistência à leptina aparece, basta ingerir um pouco mais de gordura do que o ideal ou exagerar nas calorias durante um período, por exemplo, para você ganhar muitos quilos extras”, resume a fisiologista Alexandra Shapiro, uma das líderes do trabalho, que foi feito em ratos e que saiu publicado no jornal da American Physiological Society há poucos dias.

“Nossa aposta é de que o organismo humano se comporta do mesmo jeito que o das cobaias”, diz ela.” E, se estivermos certos, o fenômeno da resistência à leptina é insidioso. Isso porque, ao contrário do que se imaginava, quem começa a resistir ao hormônio não vai ganhando peso aos poucos e, sim, muito depressa. É como se o problema hormonal se desenvolvesse silenciosamente para, em um belo dia, pregar um susto em você diante do espelho.”

Se você quer evitar más surpresas como essa, preste atenção na frutose. “Não, ninguém está recomendando que as pessoas comam menos frutas”, esclarece Alexandra Shapiro. “A idéia é que fiquem de olho nos rótulos dos alimentos industrializados”, sugere. Faz sentido. Esse açúcar natural é acrescentado pela indústria em um sem-número de produtos, como sucos, doces, geléias...E em quantidades razoáveis, diga-se.

Na experiência realizada por Alexandra Shapiro e seus colegas, ratos de laboratório foram divididos em dois grupos. Um deles passou a receber uma dieta cheia de frutose. O outro consumia o mesmo número de calorias que o primeiro time, mas não havia frutose em sua ração. Passados seis meses, todos os roedores foram pesados. E não, a média de peso dos dois times não foi muito diferente. Mas, feitos alguns exames de sangue, ficou claro: a turma da frutose estava resistente à leptina, embora isso não se refletisse na balança. Em seguida, os mesmos ratos receberam uma alimentação bem engordativa. E quais foram as cobaias que caíram de boca e ganharam peso depressa? Você já sabe a resposta.

“É a primeira vez que uma pesquisa prova a relação entre um alimento específico e esse fenômeno hormonal”, chama a atenção a fisiologista. “Uma das possíveis explicações seria o aumento dos triglicérides, um tipo de gordura que aumenta demais quando ingerimos muito açúcar”, diz ela. Há suspeitas de que taxas elevadas de triglicérides não deixariam a leptina funcionar direito no cérebro, que é seu território de atuação.

Outros estudos precisam ser realizados para apontar se, dimuindo a frutose consumida no dia-a-dia, a leptina agiria de maneira mais intensa. Pelo sim, pelo não, vale maneirar em todos os produtos industrializados adoçados com frutose. Quanto às frutas, seu consumo é seguro. O ideal continua sendo consumir de duas a três unidades diariamente para emagrecer de um jeito mais doce e saudável.

 

Fonte: http://saude.abril.com.br/

Dieta dos Pontos – Descobrindo seus limites de pontos

 

topo-dieta-principal

 

Muitas pessoas deixam comentários perguntando como fazer para descobrir o limite de pontos na nova “Dieta dos pontos”.  Por isso resolvi fazer esse post explicando como calcular a quantidade de pontos que você poderá consumir ao longo do dia.

Calcular dieta dos pontos:

Primeiro vamos achar a taxa de metabolismo basal (TMB)

Para mulheres a conta é:

10 a 18 anos – 12,2 x peso (kg) + 746

18 a 30 anos – 14,7 x peso (kg) + 496

30 a 60 anos – 8,7 x peso (kg) + 829

Acima de 60 anos – 10,5 x peso (kg) + 596

Para homens a conta é:

10 a 18 anos – 17,5 x peso (kg) + 651

18 a 30 anos – 15,3 x peso (kg) + 679

30 a 60 anos – 8,7 x peso (kg) + 879

Acima de 60 anos – 13,5 x peso (kg) + 487

Agora vamos saber qual a sua necessidade diária de energia (vide tabela):

tabela

Sabendo a sua necessidade diária de energia vamos pegar o resultado do TMB e multiplicar pelo resultado de necessidade diária de energia da tabela acima.

Vamos a um exemplo:

Uma mulher de 35 anos, com 1,65 metro de altura e 85kg, que trabalha sentada e não pratica atividade física regulamente. No caso, a TMB será igual a 8,7 x 85 (o peso dela) + 829. Isso dá 1.568,5. Esse valor, já que ela é sedentária, deve ser multiplicado por 1,2. Agora temos o resultado de 1.882,2 calorias.
Na dieta de pontos cada ponto é igual a 3,6 calorias. Então no caso desta mulher vamos pegar o resultado e dividir por 3,6, então ficaria assim: 1.882,2 dividido por 3,6 que dará 523 pontos.
Mas não para por ai!

Para calcular o IMC:

Vamos calcular agora o seu índice de massa corporal (IMC)

imc

Agora a ultima etapa:

Consulte a tabela abaixo e subtraia esse valor de sua necessidade energética diária.

tabelaimc

No caso desta mulher do exemplo, o valor encontrado na tabela é 200 pontos. Vejamos como ficou:

523 (necessidade diária) – 200 = 323 pontos

Finalmente chegamos ao final deste calculo.

 

Se tiverem dificuldade em calcular os pontos,  no site da revista Saúde você encontrará uma calculadora online.  Segue abaixo o link. 

mini-calculadora2

Descubra seu limite de pontos

(Clique na imagem acima)

 

Fonte: http://saude.abril.com.br

e http://dietanarede.com

 

dieta-pontos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...