quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Tem doce na dieta!

 

Mas nada de açúcar refinado. Aproveite as frutas e mate sua vontade de comer um docinho...
Por TaigaCazarine

acucar-m Não tem jeito: às vezes, bate mesmo aquela vontade incontrolável de comer um docinho. E sabe por que isso acontece? Ao consumir um alimento com açúcar, o organismo entende que você está experimentando uma sensação de euforia por estimular a produção de insulina. Já quando ocorre uma queda nos níveis de açúcar, vem o cansaço e o desânimo. Por isso, essa sensação de prazer momentânea acaba provocando uma vontade de ingerir mais e mais e mais doce, tornando o ciclo vicioso. “O limite estabelecido pela Organização Mundial da Saúde como consumo ideal diário é de 50 gramas de açúcar - o equivalente a 5 colheres de sobremesa. Mais do que isso já é exagero”, alerta a nutricionista do departamento de nutrição da Clínica Doutor José Bento de Souza, Camila Cavichioli, de São Paulo. Sem contar que o excesso de açúcar pode ser perigoso, pois você corre o risco de ter hipoglicemia ou desenvolver diabete. Então, a melhor maneira de consumir glicose, importante para um bom funcionamento do organismo, é por meio das frutas - além de saudáveis, não possuem praticamente gordura e são ricas em frutose, um açúcar natural mais doce que o refinado - tudo de bom para acabar em um minuto com aquela fúria por doce. No entanto, também não dá para abusar: como todo açúcar, a frutose, quando ingerida sem moderação, gera um pico de insulina que produz energia além da conta para o corpo - quando não utilizada, essa energia é acumulada em forma de gordura. O ideal é comer cerca de três porções diárias (a porção é igual a uma fruta média ou uma xícara de chá da fruta picada).

 

Fonte: http://www.revistashape.com.br

Truques que deixam as frituras menos nocivas

 

Elas não são bem-vindas em um cardápio saudável. Muito menos aquelas feitas em óleo reaproveitado. Mas se você não resiste, vamos ensinar alguns macetes

Sem-medo-de-frituras “Durante o processo de fritura, os óleos são continuamente expostos a fatores que levam a um grande número de reações químicas”, conta a nutricionista Hosana Rodrigues, da Universidade de São Paulo. Há desde a transformação das moléculas de ácido graxo até alterações de aroma e sabor. “Pode ocorrer a formação de trans, se o óleo for reaproveitado e permanecer horas e horas sob altas temperaturas”, revela Ana Carolina Gagliardi, do Instituto do Coração de São Paulo.
O aquecimento exagerado favorece a perda de ômegas, e a maioria dos tipos usados na cozinha contêm ômegas 3 e 6, gorduras do bem e essenciais para o nosso organismo, que simplesmente acabam desperdiçadas. Nunca deixe chegar ao ponto de fumaça. Sem contar que as frituras aumentam pra valer a quantidade de calorias nas refeições. Para você ter uma ideia, uma escumadeira cheia de batata cozida fornece 68 calorias, já a batata que passou por fritura, o teor calórico sobe para nada menos que 182.
“A fritura pode entrar esporadicamente no cardápio de quem pratica atividade física, desde que o óleo seja saudável e bem fresco”, aconselha a nutricionista Cynthia Antonaccio, de São Paulo. Outra dica da expert é fritar vegetais como brócolis, cenoura e outros. Nada de linguiça na banha de porco, hein?

 

Fonte: http://saude.abril.com.br/

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Pare de usar a comida contra a solidão

Essa atitude pode ser uma das culpadas pelo excesso de peso

Por Eliane Contreras
solidãoDepois de um rompimento afetivo comecei a engordar e fracassar em todas as dietas (geralmente malucas) que tentei. Durante o dia até que eu conseguia seguir o cardápio, mas à noite comia muito - jantava e continuava beliscando uma coisa aqui outra ali. Essa compulsão foi crescendo e passei a comer cada vez mais nesse horário. No dia seguinte, acordava sem fome e saia de casa em jejum e comia o mínimo durante o dia para compensar as calorias consumidas em excesso, principalmente porque sabia que, mais tarde, iria voltar a comer sem controle. Hoje continuo pulando o café da manhã, mas procuro comer certo no almoço e no jantar. Mesmo assim, fico triste e aflita, pois não consigo dormir de estômago vazio. Me sinto péssima e fora de forma (tenho 1,70 metro de altura e 79 quilos). Quero emagrecer, mas não consigo. Viviane*, 25 anos

* Nome trocado para preservar a identidade da leitora.

Viviane,
Essa fome fora do comum que você sente depois do jantar tem nome: Transtorno do Comer Noturno. É um distúrbio que atinge 1,5% da população brasileira e estima-se que 10% dessas pessoas estejam obesas.

O comportamento alimentar também é parecido: elas pulam o café da manhã e quase não têm apetite durante o dia, mas comem exageradamente após o jantar - consomem, em média, 50% do valor calórico diário antes de ir para a cama, quando não acordam no meio da noite para assaltar a geladeira. A origem desse transtorno pode ser genética, familiar, cultural ou psicológica e, por isso, exige um bom trabalho de investigação.

Mas você relata que começou a comer sem controle à noite após romper um relacionamento afetivo. Por isso eu arriscaria dizer que usou essa estratégia para aplacar a solidão.

Só que não funciona. Pior: deixa você ainda mais triste e com a sensação de inferioridade por não conseguir emagrecer. Mas, felizmente, já está tentando voltar a comer certo no almoço e no jantar. Logo vai fazer o mesmo no café da manhã, especialmente se, à noite, resistir ao primeiro biscoito ou bombom. No lugar, beba um chá de camomila (acalma e estimula o sono).

Se fizer isso por dois dias, no terceiro já vai ser mais fácil. Mude também a rotina - faça um curso ou saia para encontrar os amigos. É o melhor caminho para superar a solidão, esquecer a comida fora de hora e, finalmente, emagrecer.

O psicoterapeuta Marco Antonio De Tommaso vai ajudar você a se conhecer melhor


Fonte: http://boaforma.abril.com.br/comportamento/bem-estar/

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Dieta Dukan: Como funciona?

segredos-da-dieta-dukan

Sucesso na Europa, a Dieta Dukan promete emagrecer rápido e acabar com o efeito ioiô. Se isso é pouco, inspire-se nas curvas enxutas de Jennifer Lopez. O cardápio francês está por trás daquele corpão

Eliane Contreras


Como funciona?
Mais do que emagrecer rapidamente, a dieta do momento na Europa promete manutenção do peso por toda a vida. E vem acompanhada da frase mágica "comer sem restrição". Em parte, é verdade: você pode se fartar de proteína - nutriente principal (e praticamente único) da fase de ataque, a primeira do programa composto de mais três etapas (transição, consolidação e estabilização). Mas, antes de achar que a Dieta Dukan é mais um regime passageiro, saiba que o livro vendeu 3,5 milhões de cópias na França em 2008 e, agora, está bombando na Inglaterra. O médico e nutrólogo Pierre Dukan espera fazer o mesmo sucesso nos Estados Unidos, onde a publicação acaba de ser lançada. No Brasil, a versão de bolso (Emagreça sem Sacrifícios, editora Ediouro) colocada nas livrarias este mês também tem tudo para fazer barulho, principalmente depois da notícia de que o método francês ajudou Jennifer Lopez a emagrecer. O resultado é inspirador: a cantora e atriz parece até mais magra que dois anos atrás, antes de ficar grávida de gêmeos!

Dieta de fases

Curiosa para saber como funciona? Na primeira fase da dieta, que pode durar de um a cinco dias (você escolhe), dá para enxugar até 2 quilos comendo carne magra, frango e peixe à vontade, além de porções moderadas de ovo e queijo e iogurte 0% gordura e leite desnatado. E água, muita água! Depois, você recebe sinal verde para verduras e legumes (menos batata), e continua emagrecendo - mais lentamente, é claro. Mas dá para ficar nessa etapa até atingir seu objetivo na balança. A terceira fase libera fruta e porções controladas de pães e massas integrais. Os carboidratos refinados (pães, massas e biscoitos feitos com farinha branca, pobre em fibras) ficam de fora. "Eles têm alto índice glicêmico - no processo digestivo viram açúcar muito rápido, prejudicando o trabalho da insulina, o hormônio que cuida de levar a glicose para dentro das células. Com isso, sobra açúcar na circulação e esse extra é estocado na forma de gordura", explica o nutrólogo Alexandre Merheb, do Espaço Merheb, no Rio de Janeiro. Assim como o médico francês, Alexandre defende iniciar a dieta comendo apenas proteína - o objetivo é restabelecer a função da insulina e facilitar a perda de peso. Na quarta e última etapa, o cardápio volta a ter de tudo. Mas, para não engordar novamente, existe um segredo (você vai descobrir adiante).
Complicado? Nem tanto! Nós explicamos a seguir como funciona em detalhes cada fase da dieta. E, para facilitar, a nutricionista Telma Akemi Hatanda, também do Espaço Merheb, montou cardápios baseados na Dieta Dukan, só que com alimentos acessíveis e mais próximos ao paladar das brasileiras. E você está convidada a colocá-los em prática.

O Atkins francês

Não dá para negar. O programa de emagrecimento de Dukan é uma releitura da famosa Dieta de Atkins, criada nos anos 1960. A versão americana foi recriminada por médicos e nutricionistas por permitir o consumo indiscriminado de bacon e carnes gordas - um verdadeiro atentado ao coração. A proposta de Dukan é mais saudável, pois sugere o consumo de proteínas vindas das carnes magras (sem gordura embutida), frango e peixes. Ele também teve o cuidado de indicar apenas as gorduras boas - consideradas amigas do peito. E, mesmo assim, só no fim da dieta, na fase da estabilização do peso. Antes disso, o uso de óleo é liberado em doses mínimas, apenas o suficiente para você grelhar ou refogar um alimento.

Fase 1: ataque

É a etapa mais radical e curta: você pode escolher segui-la de um a cinco dias. O objetivo é preparar o organismo para responder melhor à dieta. Carne, peixe e ave podem ser consumidos à vontade. Mas, se quiser sugestões de quantidade, acompanhe os nossos cardápios:
CAFÉ DA MANHÃ
opção 1
• 1 pote de iogurte natural (ou com fruta) 0% de gordura
• 3 fatias de peito de peru light
• 1 xíc. de chá verde
opção 2
• 2 fatias de queijo minas frescal 0% gordura
• 3 fatias de presunto magro (ou presunto de frango)
• 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado (use adoçante)
opção 3
• Omelete (1 gema e 2 claras)
• 1 taça de gelatina diet
• 1 copo (200 ml) de água de coco
LANCHE DA MANHÃ
opção 1
• 2 fatias de ricota (ou 2 fatias de queijo minas frescal 0% gordura)
opção 2
• 3 fatias de presunto de frango (ou presunto magro)
opção 3
• 2 enroladinhos (2 fatias de presunto magro e 2 fatias de mussarela light)
ALMOÇO
opção 1
• 1 filé de peito de frango com 2 fatias de mussarela light
• 1 ovo mexido
opção 2
• 1 filé de carne magra acebolado • 3 col. (sopa) de queijo cottage 0% gordura
opção 3
• 2 postas de peixe (namorado, badejo) assado
• 1 ovo cozido com 1 fio de azeite e orégano
LANCHE DA TARDE
opção 1
* 1 fatia média de queijo minas frescal 0% gordura
• 1 taça de gelatina diet
• 1 xíc. de chá branco
opção 2
• 2 col. (sopa) de queijo cottage 0% gordura
• 2 fatias de peito de peru light
• 1 copo (200 ml) de água de coco
opção 3
• 1 pote de iogurte natural (ou de fruta) 0% gordura
• 2 fatias de presunto magro
• 1 xíc. de chá de camomila
JANTAR
opção 1
• 5 col. (sopa) de camarão no bafo (ou refogado com alho e 1 fio de azeite) ou 1 filé de peixe salmão, st. peter) assado
• 2 fatias de queijo minas frescal 0% gordura
opção 2
• 4 pedaços médios de carne de panela
• 3 fatias médias de tofu (queijo de soja)
opção 3
• 4 coxas médias de frango assadas sem pele (ou 5 col./ sopa de carne moída refogada)
• 3 fatias de presunto magro (ou presunto de frango)
Alimentos liberados
.Na primeira fase, você pode variar o cardápio com oito categorias de alimentos:
. Carne magra: vitela e boi sem gordura, grelhadas, assadas ou cozidas.
. Carne branca: aves (com exceção de pato) e coelho.
. Peixe (todos): magros, gordurosos, brancos ou não, crus ou cozidos.
. Miúdos: fígado, rim e língua de vitela. Frutos do mar: camarão, lula e marisco.
. Frios: presunto magro, presunto de frango e peito de peru light.
. Laticínios: queijo e iogurte 0% gordura e leite desnatado. (duas porções por dia, no máximo).
. Ovo: dois por dia, no máximo.
Água é importante: ela facilita o funcionamento dos rins e evitar que fiquem sobrecarregados com a proteína. Beba de 2 a 3 litros por dia. Você também pode consumir chá e café (sem açúcar).
Temperos: você pode usar ervas, alho, cebola e alho para preparar a comida e o mínimo de gordura (azeite, de preferência) para refogar.

Fase 2: transição

Nesta etapa você pode pôr verduras e legumes à vontade no prato, mas em dias alternados. Ou seja: um dia segue o cardápio da fase 2 e no outro da fase 1, só com proteína. Mantenha essa alternância até chegar ao peso desejado.
CAFÉ DA MANHÃ
opção 1
• Omelete (1 gema e 2 claras) com mussarela light, presunto magro, tomate e orégano
• Café (use adoçante)
opção 2
• 1 pote de iogurte natural (ou de fruta) 0% gordura
• 1 taça de gelatina diet
• 1 xíc. de chá de hortelã
opção 3
• 3 fatias médias de queijo minas frescal 0% gordura
• 3 fatias de presunto de frango
• 1 xíc. de chá-mate com limão (use adoçante)
LANCHE DA MANHÃ
opção 1
• 1 pepino em palito
opção 2
• 2 fatias de presunto de frango (ou presunto magro)
opção 3
• 2 fatias de queijo minas frescal 0% gordura
ALMOÇO
opção 1
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes (alface, agrião, rúcula, escarola) e tomate
• 3 pedaços de frango assado sem pele
• 3 col. (sopa) de berinjela assada com cebola, alho, pimentão e 1 fio de azeite
opção 2
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes e cogumelo
• 1 filé de peixe (salmão atum) grelhado com shoyu
• 3 col. (sopa) de escarola refogada
opção 3
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes e cenoura ralada
• 1 filé de carne magra grelhada
• 2 col. (sopa) de tofu refogado com cebola, alho e shoyu
• 3 col. (sopa) de abóbora refogada com cebola e salsinha
LANCHE DA TARDE
opção 1
• 1 queijinho fundido light
• 1 taça de gelatina diet
opção 2
• 3 fatias de peito de peru light
• 2 fatias de mussarela light
opção 3
• 1 pote de iogurte natural (ou de fruta) 0% gordura
• 2 fatias de presunto magro
JANTAR
opção 1
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes, pepino e talos de erva-doce
• 1 fatia de pernil de vitela assado (ou 1 sobrecoxa de frango assada sem pele)
• 3 col. (sopa) de abobrinha refogada com tomate e cebola
opção 2
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes e broto de feijão
• 4 col. (sopa) de picadinho de carne com pimentão
• 3 col. (sopa) de brócolis refogados com alho
opção 3
• 1 prato (raso) de salada de folhas verdes e palmito
• 1 filé de peixe (salmão, atum, badejo) assado
• 3 col. (sopa) de vagem no vapor com azeitona
CEIA
opção 1
• 1 taça de gelatina diet
opção 2
• 2 fatias de queijo minas frescal 0% gordura
opção 3
• 2 fatias de presunto magro (ou chester defumado)

Fase 3: consolidação
Se você emagreceu tudo o que queria está pronta para começar a fase 3. Ela é calculada em função do peso perdido: 10 dias para cada quilo que se foi. Exemplo: se você perdeu 5 quilos, deve seguir essa fase por 5 vezes 10 dias, ou seja, 50 dias. Proteínas e vegetais continuam sendo prioridade, sem a necessidade de alternância.
*Introduza as frutas e duas fatias de pães uma vez ao dia. Tubérculos e cereais integrais podem ser consumidos em duas refeições na semana. Abaixo, 3 opções de cardápios. Nas demais refeições, sega como indicado nos cardápios da fase 2.
CAFÉ DA MANHÃ
opção 1
• 2 torradas integrais com requeijão light + 1 manga média em pedaços + 1 copo de leite de soja light
opção 2
• 5 col. (sopa) de granola diet + 1 taça de salada de frutas + 1 xícara de chá verde (com ou sem adoçante)
opção 3
• 2 fatias de pão integral light com 1 fatia de queijo minas e 1 fatia de peito de peru + ½ papaia + 1 xícara de café (com ou sem adoçante)
LANCHE DA MANHÃ
opção 1
• 1 pote de iogurte light de morango.
Opção 2
• 3 fatias de peito de peru
Opção 3
• 3 fatias• de chester defumado
ALMOÇO
opção 1
• 1 filé de peixe com molho de tomate + 3 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de salada de grão-de-bico + 1 prato (raso) de salada de alface americana e chicória
opção 2
• 3 pedaços médios de frango refogado + 3 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de feijão branco (ou pode ser o tipo de feijão que desejar) + 1 prato (raso) de salada de beterraba ralada e espinafre
opção 3
• 3 col. (sopa) de carne seca acebolada + 3 pedaços pequenos de mandioca cozida + 2 col. (sopa) de lentilha + 1 prato (raso) de salada de agrião e tomate
LANCHE DA TARDE
opção 1
• 2 fatias de queijo minas light + 2 fatias de presunto magro
opção 2
•1 fatia de queijo cottage + 2 col. (sopa) de atum em conserva
opção 3
• 1 pote de iogurte natural + 2 fatias de peito de presunto de frango
JANTAR
opção 1
• 1 fatia grande de carne assada + 3 col. (sopa) de abobrinha refogada com tomate + 1 prato raso de salada de rúcula com palmito
opção 2
• 1 filé de peixe grelhado + 3 col. (sopa) de abóbora refogada + 1 prato raso de salada de alface e cenoura ralada
opção 3
• 1 prato (fundo) de sopa de legumes com 4 col. (sopa) de peito de frango refogado e desfiado + 1 prato (raso) de alface e 2 col. (sopa) de cenoura ralada
CEIA
opção 1
• 2 fatias de chester defumado
opção 2
• 2 fatias de queijo minas light
opção 3
• 1 pote de iogurte light
Agora, você também tem direito a:
• 1 porção de fruta (exceto banana, abacate, cereja e castanha) por dia: considere porção uma unidade para frutas de tamanho médio como maçã, pera, laranja, pêssego ou nectarina. Para as frutas maiores e menores, a porção é uma taça de morangos, uma fatia de melão ou de mamão, dois kiwis, dois
damascos, uma manga pequena ou metade de uma grande.
• 2 fatias de pão integral por dia: se quiser, pode espalhar um pouco de margarina ou manteiga light.
• 1 porção (40 gramas) de queijo: prato, emmenthal, guyère e provolone - eles passam pelo processo de cozimento e têm menos gordura que os fermentados, como gorgonzola, camembert e brie. Queijos brancos são liberados, desde que não contenham mais de 20% de gordura.
• 2 porções de carboidratos complexos por semana, priorizando a seguinte ordem: massa integral ou grano duro (1 escumadeira); polenta (1 fatia média), lentilha, feijão, ervilha seca ou grão-de-bico (4 colheres de sopa); arroz integral e batata (3 colheres de sopa).
• Esta fase também dá direito a duas refeições semanais "de gala", quando é possível consumir qualquer tipo de alimento, com duas condições: nunca repetir o prato e não fazer duas refeições deste tipo seguidas. Intercale ao menos uma refeição entre essas duas de gala. E, por medida de segurança, é fundamental eleger um dia da semana para fazer a dieta só com proteínas, a mesma adotada na fase 1.

Fase 4: estabilização
Pronto, a partir daqui nada mais é proibido - você pode ter uma alimentação normal. Porém, uma vez na semana, deve repetir um dia do cardápio da fase 1, só com proteína (isso a vida toda). É o segredo para não voltar a engordar. Outra recomendação é adotar o consumo diário de três colheres de sopa e farelo de trigo e de aveia. São alimentos que garantem uma boa dose de fibras solúveis - indispensáveis para saciar e manter o intestino saudável, o que também é estratégico para que você deixe de brigar com a balança de uma vez por todas.


DD_ribbon_Orange_JD

Ebooks em espanhol:


elmetododukanlustrado Título del libro: El método DUKAN ilustrado
Cómo adelgazar rápidamente y para siempre
Autor: Dr. Dukan Pierre
Idioma: Castellano
Link: http://www.megaupload.com/?d=8YNOTB1V

libro no consigo adelgazar Título del libro: No consigo adelgazar
Autor: Dr. Dukan Pierre
Idioma: Castellano
Link: http://www.megaupload.com/?d=8YNOTB1V



DD_bowOrange_JD

Pequenas Ações, Grandes Resultados

 

pequenas-acoes-grandes-resultados

 

Toda pessoa às vezes sente-se triste, de mau humor, deixa-se dominar pela ira e fica remoendo rancores. Afinal, são reações inevitáveis diante de tantas frustrações ao longo da existência.

Porém esses sentimentos não devem persistir por muito tempo, pois comprometem a capacidade de sentir prazer e de dar respostas adequadas às mais diversas situações. É necessário mudar o disco e reverter o quadro, para evitar que esses sentimentos se instalem de forma permanente.

Algumas medidas simples podem ajudar nessas situações:

1- Afastar-se dos chatos. Quem está numa fase vulnerável deve passar longe dos fofoqueiros, dos que vivem reclamando e de quem adora julgar os outros. Já as pessoas de alto astral atuam como renovadoras de energia.

2- Permanecer aqui e agora. O futuro é um projeto e o passado já se foi. O momento presente é tudo o que temos e deve ser o principal foco da vida. Se a nossa energia estiver focada em outro tempo, há grande possibilidade de perdermos as chances que se apresentam.

3- Desconfiar dos próprios dramas. Não se leve tão a sério. Às vezes, rir de si mesmo é o melhor remédio. As dificuldades são encaradas sob uma nova perspectiva quando existe bom humor.

4- Limpar a área. Não varra a sujeira para baixo do tapete. Engolir a raiva e as mágoas é pior, pois um dia elas acabam reaparecendo, numa forma e num momento impróprios. O melhor é não deixar as divergências se acumularem, esclarecendo os fatos para que as tensões desapareçam. Um diálogo franco e tranqüilo pode ser um ótimo remédio.

5- Redigir cartas. Escreva suas mensagens de mágoa, indignação ou cobrança - o que seja -, mas não as envie. Guarde-as por alguns dias e depois as releia e decida se o destinatário merece ou não recebê-las. Isso ajuda a discernir se o problema é seu ou do outro, e pode poupá-lo de cometer injustiças e aumentar desavenças.

6- Dar um tempo. Se o trabalho ou alguém está deixando você aborrecido, saia de cena. Siga sua rotina, porém não se exponha. Assim você terá um tempo para entender suas emoções e se reestruturar para lidar melhor com a situação.

7- Cantar. Não importa onde em grupo, sozinho ou debaixo do chuveiro. Cantar ajuda a liberar emoções, além de ser um ótimo exercício respiratório e de relaxamento da musculatura corporal e da mandíbula.

8- Fazer coisas prazerosas. Realizar atividades que dão prazer apenas durante as férias ou feriados não contribui muito para uma vida feliz. É importante realizar diariamente coisas simples que dêem prazer, de preferência em benefício próprio.

9- Fazer exercícios. Escolher uma modalidade de exercícios, como dançar, nadar, correr ou caminhar. É bom lembrar que só fazemos por muito tempo aquilo que nos dá prazer. Os exercícios, praticados regularmente, estimulam a produção de endorfina, substância responsável pela sensação de bem-estar e por outros benefícios para o corpo.

10- Permitir-se mimos. Uma sessão de cinema só com as amigas, um café num lugar agradável, um domingo em que você acorda bem mais tarde, uma sessão de massagem relaxante. O importante é que esses mimos tenham o efeito de dar satisfação.

Todas essas medidas podem melhorar o ânimo e a disposição para enfrentar as situações do dia-a-dia com mais humor e prazer. Cada pessoa poderá adotar muitas outras medidas. Para isso é necessário descobrir o que provoca a sensação de reduzir o estresse. É preciso utilizar todas as ferramentas disponíveis para viver melhor com os outros e consigo mesmo.   

Fonte: Por Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.

http://cyberdiet.terra.com.br

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Alimentos bons e ruins para digestão

 

pimentao

 

quele desconforto abdominal na famosa indigestão muitas vezes é causado por gastrites, refluxos e colelitíase (presença de pedra na vesícula).

Mas a indigestão também pode ser provocada por quem come muito rapidamente, pelo consumo de bebidas alcoólicas ou pelo ato de comer em excesso.

Fique também atenta a alguns alimentos indigestos, como o pimentão, o pepino, o melão, a carne mal-passada e outros, geralmente gordurosos e com muito condimento, ou alimentos com muitas proteínas e fibras. Evite-os principalmente à noite, pois é nesse período que o funcionamento do metabolismo é naturalmente mais lento.

Por outro lado, há alimentos que facilitam a digestão. Carboidratos em geral, como o arroz (por não conter muita proteína, ele chega rapidamente ao intestino sem liberar muito ácido no estômago, evitando que a azia piore quando a pessoa está em crise), bebidas como o chá verde, que é um ótimo antiácido, e frutas como a pêra e banana.

Além deles, o iogurte também é recomendável, já que ajuda a curar diarréias, e o gengibre, que é uma ótima alternativa para eliminar o enjoo.

 

Fonte: Por Jessica Moraes - http://cyberdiet.terra.com.br

Aproveite os nutrientes dos alimentos!

 

aproveite-os-nutrientes-dos-alimentos

Os nutrientes presentes nos alimentos é o que vão garantir à nossa saúde alimentar, e muitas vezes, alguns de nossos hábitos fazem com que perdemos um pouco desses nutrientes.

Por esse motivo seguem algumas dicas simples para você aproveitar tudo de saudável que os alimentos podem oferecer.

- Dê preferência por consumir os vegetais crus. Dessa forma preservam-se as fibras, as vitaminas e os minerais, que no cozimento é reduzido. Quando for preciso cozinhar, utilize as panelas à vapor. Os legumes e tubérculos devem ser cozidos com casca, porque a casca funciona como uma barreira de proteção. Além disso, quanto menos picados forem os alimentos, menor a exposição e, portanto, menores são as perdas.

- Prefira o azeite de oliva extra virgem, que mantém as propriedades funcionais deste tipo de gordura. Utilize para temperar saladas, regar refogados prontos, ou seja, não aqueça o azeite, pois dependendo do tempo de aquecimento, ele muda a estrutura. Para frituras é melhor usar o óleo mesmo.

- Beba café em quantidade moderada, o café traz benefícios se consumido na medida certa e malefícios se consumido em excesso. Beba até 3 xícaras de café preto, não ultrapasse isso. Muitas vezes o hábito de tomar cafezinhos mascara a sede e impede o consumo de um copo de água.

- Frutas que podem ser consumidas com casca, como maçã, pêra, laranja (parte branca), não as descasque, pois a maior parte das fibras está na casca, ou em bagaços, etc.

- Evite utilizar panelas de alumínio, pois liberam metal pesado que favorece o envelhecimento. Panelas de inox, antiaderentes, porcelana ou vidro são os tipos mais indicados.

- Alimentos com teor reduzido de gorduras são mais saudáveis e pode ser usados regularmente. Leite e iogurte desnatados, margarina light, gelatina diet, dentre outros, são mais saudáveis do que os convencionais.

- Não exagere no consumo de congelados e enlatados, que geralmente são ricos em sódio, prefira sempre o alimento o mais natural possível.

- Na hora da compra, a seleção também é importante. Uma boa aparência dos alimentos assegura uma boa oferta de nutrientes. Frutas e vegetais machucados, batidos ou com picadas de insetos, carnes esverdeadas com textura e odor não característicos são indícios de que estão impróprios para o consumo.

- Observe a aparência, cor, textura e odor. No caso dos industrializados, recomenda-se não comprar produtos com embalagens abertas e latas amassadas ou estufadas.

- Descongele a comida na geladeira, retirando-a do congelador com certa antecedência.

 

Fonte: Por Roberta dos Santos Silva
Nutricionista-chefe do programa Cyber Diet, formada pela Universidade Católica de Santos CRN-3 14.113

http://cyberdiet.terra.com.br

Livro: Paixão Emagrece, Amor Engorda - Sonia Hirsch

 

Lançamento Arcanjo Micael

Paixão Emagrece, Amor Engorda - Sonia Hirsch

links abaixo

21857044_4

digitalização, formatação e revisão - Lucia Garcia
agradecimentos pela doação do ebook para o Memorial do Conhecimento

Sinopse:

Numa mistura bem dosada de filosofia e culinária, Paixão Emagrece, Amor Engorda reúne 30 crônicas de Sonia Hirsch com

pensamentos sobre a vida, o amor, a saúde e, principalmente, sobre a influência que os alimentos têm em nossa alegria e nosso bem-estar.

Adapta de uma cozinha simples e criatica, Sonia apresenta dicas valiosas para quem deseja conquistar uma boa forma física e mental.

Com generosas pitadas de experiência de vida, ela preparou uma obra que faz bem para o corpo e a alma.

O livro é dedicado aos "preguiçosos" que não querem perder muito tempo na frente do fogão, mas não abrem mão de uma refeição nutritiva, saborosa e - por que não? - sofisticada.

Carnívora até os 30 anos, vegetariana por outros 10 e hoje natureba sem preconceitos, Sonia não pretende doutrinar ninguém, mas dá dicas,

receitas e sugestões tão originais que vão deixar qualquer um com água na boca.

O ingrediente principal deste livro é o estilo descontraído, em tom de conversa, como se a autora estivesse batendo papo com o leitor na cozinha,enquanto prepara o jantar.

Ela reflete sobre temas importantes com suavidade e bom humor e apresenta tudo o que aprendeu nas áreas de saúde e nutrição num texto saboroso como um prato bem-feito:

agradável, leve e prazeroso.

Links:

megaupload:

http://www.megaupload.com/?d=4XABC30F

mediafire:
http://www.mediafire.com/download.php?pmh9l8g67nmo2di

 

Este e-book representa uma contribuição do grupo  Arcanjo Micael para aqueles que necessitam de obras digitais como é o caso dos Deficientes Visuais e como forma de acesso e divulgação para todos.
É vedado o uso deste arquivo para auferir, direta ou indiretamente, benefícios financeiros.
Lembre-se de valorizar e reconhecer o trabalho do autor, adquirindo suas obras

 

Fonte: Grupo Arcanjo Micael

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Culinária: Torta Tropical Light

 

 

torta-creme-morango

 

Ingredientes


Massa doce

5 col. (sopa) de farinha de trigo
1 col. (sopa) de adoçante Equal
1,5 col. (sopa) de margarina
3 gotas de baunilha
1 pitada de sal
1 ovo
Creme
300 ml de leite desnatado
4 gemas
2 col. (sopa) de adoçante Equal
2 col. (sopa) de amido de milho
Frutas para decorar
1 Manga
2 Kiwis
1 Morango

Modo de preparo

Massa
Em uma travessa, misture a farinha de trigo, o açúcar, a manteiga e o sal, até que a massa fique homogênea. Junte o ovo e a baunilha e misture. Forre a assadeira de 22 cm de diâmetro com a massa, e retire as rebarbas que sobram na lateral. Leve ao forno preaquecido a 150°C por 15 minutos.
Creme
Em uma vasilha, junte a gema, o açúcar e o amido de milho e misture até ficar homogêneo. Coloque o leite em uma panela pequena e leve ao fogo para ferver. Acrescente o creme no leite mexendo sempre, até engrossar e começar a soltar da panela. Retire do fogo, transfira para uma vasilha e coloque na geladeira para esfriar. Depois de frio, bata na batedeira até ficar homogêneo. Despeje o creme sobre a base de massa doce assada e decore com as frutas.

Calorias por porção: 130

 

Bomapetite

A mudança começa por você

 

Para alcançar seus objetivos, é essencial descobrir - sozinha - as melhores maneiras de realizar as modificações necessárias

por Luiz Alberto Py

 

O excesso de peso está afetando não só minhas emoções, mas minha vida. Sinto-me amarrada e não consigo forças para mudar. Há dias choro muito sozinha, principalmente porque toda roupa que visto não fica bem no meu corpo. Sinto até vergonha de ir à academia e as pessoas ficarem observando como estou enorme. Tenho hipotireoidismo, já estou em tratamento, mas ainda não consegui reduzir o peso. Segundo meu médico, a minha genética me prejudica. Preciso de ajuda.
Lívia, Lins - SP

Cara Lívia, você termina sua carta dizendo que precisa de ajuda. A grande questão é que só existe, no mundo todo, uma única pessoa que pode ajudá-la. Sim, é isso mesmo que está pensando: somente você pode interferir na própria perda de peso e transformar efetivamente a vida para melhor. E olha: não desista do tratamento, que além de ser muito importante para a sua saúde, a ajuda a normalizar o metabolismo. Se sua genética a prejudica, é mais uma razão para não desanimar. Certo?
Agora, você há de concordar comigo que evitar o excesso de comida é algo que só depende de você mesma. Esse é o ponto de partida para essa grande mudança. E digo mais: controlar a alimentação é uma tarefa diária que implica em constante esforço. O desafio aqui é modificar seu antigo hábito de comer mais do que o necessário. Sim, é um serviço árduo, porém indispensável.
Lamento dizer, mas não há saída mais fácil, simples e milagrosa. A boa notícia? Quando você parar de esperar soluções mágicas e se dispuser a assumir o esforço necessário - além de continuar tratando a sua disfunção na tireoide - seu problema de obesidade será resolvido. Pois é, Lívia, a disposição necessária para realizar cada etapa depende somente do seu empenho emocional. Procure, portanto, se dedicar ao propósito de emagrecer e verá a recompensa num corpo saudável e bonito. Vamos lá, mãos à obra e o sucesso será garantido.

 


Luiz Alberto Py Médico psicanalista, psiquiatra e autor de oito livros, entre eles Amor e superação.

luiz@albertopy.com.br

 

Fonte:  http://dietaja.uol.com.br/saude-fitness/

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Dá para comer no fast food sem engordar

 

Aprenda a manter a linha na loucura de uma praça de alimentação

Por Marcia Melsohn

hamburger-m Por mais que a gente se esforce para seguir a cartilha de uma alimentação saudável, tem sempre aqueles dias em que não dá tempo de se programar ou escolher o melhor lugar para comer. Daí, a única opção acaba sendo um fast food. Às vezes nem é por isso: os amigos adoram esses restaurantes e recusar sempre o convite deles pode pegar mal. A boa notícia é que é possível cuidar das medidas nessas situações. Basta ficar com as opções mais nutritivas e saber fazer algumas substituições espertas.

Mas, antes de tudo, um alerta: não faça disso um costume, porque, nesse caso, será inviável segurar o ponteiro da balança. Um estudo feito na Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, nos Estados Unidos, mostra os riscos de transformar a ida a esses restaurantes em hábito. Depois de avaliar mais de 3.500 pessoas, durante 13 anos, a pesquisa constatou que quem prefere fast food a outros tipos de restaurante apresenta os piores perfis de obesidade e taxas elevadas de triglicérides, colesterol e glicose no sangue.

"Uma dieta saudável deve ser variada, colorida, rica em vitaminas e minerais, que são importantes para o equilíbrio do organismo", diz a nutricionista Catarina Stocco, diretora da CKS Educação Avançada em Saúde, de Curitiba, no Paraná. "Quem come muito em fast foods geralmente consome muito sal, gordura, carboidrato e pouca fibra, o que colabora para o aumento de peso e ainda pode potencializar doenças cardiovasculares."

Mas ir de vez em quando a uma praça de alimentação não vai fazer mal nenhum. O jeito é tornar o sanduíche mais saudável ou escolher bem os ingredientes que vão compor o prato. De um modo geral, segundo Catarina, algumas trocas são muito bem-vindas: pão francês ou de hambúrguer por pão integral; maionese tradicional por light ou azeite de oliva; queijo prato ou muzzarela por ricota ou queijo branco; presunto por peito de peru.
Como hoje em dia existem fast foods para todos os gostos, é melhor saber se comportar em cada um deles se quiser conquistar a cintura dos sonhos.

Japonês
Apesar de ser baseada em alimentos como peixe e vegetais, fontes de diversos nutrientes, a culinária japonesa tende a ser bastante salgada. Por isso, não exagere nos molhos à base de soja, que costumam ser bastante carregados nesse tempero. Se não for muito familiarizado com essa cozinha, pergunte como são feitos os pratos, para garantir uma refeição mais saudável. Evite as frituras, escolha alimentos como algas, camarão no vapor, sushi, saladas, brotos e champignon.

Árabe
Boa pedida para quem está tentando derrubar o ponteiro da balança. Muito variada, com pouca gordura e regada a ervas e especiarias, essa cozinha oferece opções boas e saudáveis. O melhor é deixar de lado o quibe frito e ir de quibe cru com limão. Resista aos doces sírios e às esfihas de queijo, que são mais calóricos. Pão sírio com babaganush (pasta de berinjela) ou homus (de grão de bico), kafta no espeto com agrião, guisado com salsão e charutinhos de repolho vegetarianos são algumas sugestões saborosas que não vão comprometer as medidas.

Mexicano
A gastronomia mexicana é famosa por seus sabores e aromas atraentes e exóticos. Mas é preciso muita calma nesses restaurantes para não derrapar na dieta. As melhores alternativas são os burritos, os tacos leves e as fajitas, que costumam ser montadas pelo próprio cliente. Em lugar de guacamole e de creme de leite azedo, coloque mais vegetais grelhados e salsa (molho em espanhol). A salsa é livre de gordura e contém tomate e pimentas nutritivas. Peça feijão preto, que é pouco gorduroso, em vez do feijão frito. Se puder, vá de arroz puro -- o mexicano pode algumas vezes vir com muito sal. Se for beliscar antes da refeição, troque as batatas fritas por tortilla pura com salsa.

Chinês
O ponto mais positivo da culinária chinesa é o fato de ser rica em ingredientes pouco gordurosos, como vegetais e grãos. Para aproveitar essa característica, fique longe das frituras crocantes e dos rolinhos e não exagere nas porções. Fique com pratos feito no vapor ou que contenham as palavras jum (branqueados), chu (fervidos), kow (tostados) ou shu (assado). Dê preferência aos feitos com frango, frutos do mar ou, melhor ainda, os vegetarianos. Mas, outra vez, cuidado com os molhos, feitos à base de soja ou de glutamato monossódico. Peça separado para não passar da medida.

Pizzaria
Nesse caso, não há segredos. Se puder escolher a massa, vá de olhos fechados na fina. Evite as coberturas com queijos gordurosos e opte, por exemplo, por rúcula e tomate seco, atum, champignon, escarola ou marguerita com muzzarela de búfala.

Lanchonetes tradicionais
Aqui muito cuidado é pouco. A variedade de lanches é enorme e quase nenhum é, pelo menos na versão original, muito amigo da boa forma. Portanto, vamos a algumas substituições que podem minimizar o prejuízo: salgados fritos por assados; queijo quente no croissant por queijo branco no pão integral; misto de queijo prato e presunto no pão francês por queijo branco e peito de peru no pão integral; chocolate quente tradicional com açúcar por leite desnatado e chocolate em pó light; e, finalmente, o hambúrguer. Troque-o por um filé de frango ou de carne de vaca grelhado ou por hambúrguer artesanal grelhado com temperos naturais. O hambúrguer processado tem muita química, gordura e temperos que aumentam a fome. E, claro, nada de acompanhamentos gordurosos, como maionese, ketchup e molho tártaro. Tomate, cebola e alface podem dar mais sabor ao sanduíche sem detonar a dieta.

Consultoria: Catarina Stocco, nutricionista, especialista em nutrição clínica funcional, nutrição esportiva, e Fitoterapia. Diretora do CKS Educação Avançada em Saúde

 

Fonte: http://saude.abril.com.br/emagrece-brasil

Dica do Dia: Salada mais saudável

Dica do Dia 01

10 dicas para aprender a correr e entrar em forma com saúde

slide-corpo-postura

1. Faça um check-up

Antes de botar os pés na esteira ou no parque, é imprescindível visitar o médico e realizar alguns exames. Um deles é o hemograma, que vai descobrir, por exemplo, como andam os níveis de colesterol. E o outro, essencial para os futuros esportistas, é o teste ergométrico — ele mostra como o coração reage ao esforço e identifica distúrbios como arritmias.

2. Escolha o tênis certo

O calçado pode ser um dos melhores amigos ou inimigos do corredor. Procure modelos que contam com sistema de amortecimento e sejam adequados ao seu tipo de pisada. O tênis não deve ficar folgado, nem apertado demais. Isso evita de problemas no joelho a bolhas.

3. De olho no traje

Aposte nas roupas leves. Hoje qualquer loja de produtos esportivos oferece camisetas e regatas com tecidos que eliminam o suor com mais eficácia. Os shorts também já contam com essa tecnologia e as meias seguem a tendência — as de material sintético evitam frieiras e dermatites.

4. Não se esqueça de malhar

Se você quiser se transformar em um bom corredor, precisa também se matricular em uma academia. Explicamos: é na musculação que conseguimos fortalecer os grupos musculares — tarefa que não deve ficar restrita aos músculos das pernas.

5. Alongar é preciso

Antes e depois da caminhada, do trote ou da corrida. Esticar os músculos é a maneira mais eficaz de evitar dores e lesões. Lembre-se de que você deve trabalhar o corpo inteiro. Trate de alongar as coxas, as panturrilhas, os braços e, inclusive, o pescoço.

6. Nada de pressa

Ninguém vira um maratonista da noite para o dia. Se você anda sedentário e decidiu se exercitar, comece com a caminhada. Na medida em que ganha condicionamento e resistência, pode passar para o trote. E, depois de um tempo, daí, sim, dá para começar a correr de verdade.

7. Água é tudo

É fundamental manter-se muito bem hidratado durante a corrida — especialmente se estiver aquele calor. A começar pelo fato de que o organismo não tem um reservatório de água. Com o suor, então, litros do líquido vão embora. Ou seja, seu corpo exige uma reposição — que deve ser feita inclusive ao longo do treino.

8. Atento ao coração

Antes de começar a suar a camisa e depois de um tempo de exercício, procure conferir como estão seus batimentos cardíacos. Hoje a tecnologia já permite que façamos isso sem perder muito tempo: equipamentos como os frequecímetros ajudam a monitorar o coração e alertar possíveis descompassos.

9. Coma direito

Para potencializar os benefícios da corrida, conte com a ajuda de um cardápio balanceado que não despreza frutas e verduras. Antes de correr, aposte nos carboidratos, que enchem o organismo de disposição. Só procure dar um bom intervalo entre a refeição e a corrida para evitar uma indisposição. É importante se alimentar depois da canseira. Prove uma barra de cereais e um suco natural, por exemplo.

10. Postura, por favor!

Uma postura adequada não só melhora o desempenho, como previne dores mais tarde. Para correr com segurança, deixe os quadris um pouco para trás e posicione o tronco levemente para a frente. Mantenha os braços semiflexionados, movimentando-os desde a articulação do ombro. A cabeça fica na posição certa quando você corre mirando o horizonte.

 

Fonte: http://saude.abril.com.br

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A comida que emagrece

 

A ciência revela que vários nutrientes são capazes de estimular o corpo a evitar o ganho de peso. As descobertas estão modificando o cardápio de quem está de dieta e incentivam a indústria alimentícia a criar produtos que ajudam na luta contra a balança

Por Mônica Tarantino

 

img.jpg
CALORIAS A MENOS
A atriz Isa Zampieri, 25 anos, emagreceu 14 quilos em dois anos. Ela passou a ingerir alimentos que obrigam o corpo a gastar mais energia durante a digestão. “Todo dia uso uma colher de canela junto com frutas ou sucos”, conta. Maçã também está no seu menu: ela aumenta a saciedade

Se você está procurando caminhos mais eficazes para perder peso, que tal inserir alguns alimentos no cardápio, em vez de apenas riscar do menu as opções que engordam? Se a sugestão assustou, relaxe. Na verdade, trata-se de uma das mais modernas e espertas estratégias traçadas pela ciência para ajudar quem deseja emagrecer: usar a nosso favor o poder de determinados alimentos para nutrir e ao mesmo tempo evitar o acúmulo de peso. É a comida que emagrece. A descoberta de que, sim, ela existe foi uma das mais importantes informações obtidas nos últimos anos pelos estudiosos que se dedicam a investigar saídas contra a obesidade. “Chegamos à conclusão de que o caminho para acumular menos calorias não é simplesmente cortá-las”, disse à ISTOÉ Darius Mozaffarian, da Universidade de Harvard (EUA). “Hoje sabemos que ingerir mais de diversos tipos de alimentos está associado à perda de peso”, completou.

O que o pesquisador americano está afirmando aqui não se refere à velha máxima de que se deve aumentar o consumo de opções com menor quantidade de calorias se o objetivo é emagrecer. A recomendação continua correta, é claro. O que o cientista quer dizer é que dezenas de pesquisas estão demonstrando que vários alimentos ajudam a prevenir o ganho de peso não por causa da quantidade de calorias que apresentam – ou não somente por isso –, mas devido à ação de nutrientes específicos que impedem o depósito de gordura no organismo.

Essa nova linha de abordagem tem como embasamento a constatação de que os efeitos da comida no organismo e a nossa relação com os alimentos são muito mais complexos do que se imaginava. “Há, por exemplo, uma ligação importante entre o cérebro e o aparelho digestivo”, afirma o endocrinologista Walmir Coutinho, presidente eleito da Associação Internacional para o Estudo da Obesidade. De fato, descobriu-se a existência de uma espécie de segundo cérebro no corpo: cerca de 100 milhões de células nervosas, do mesmo tipo das que existem no cérebro, estão distribuídas pelas paredes do estômago, esôfago e intestino. E elas estão lá com um propósito claro: participar da regulação das sensações de fome e saciedade. Por meio delas são gerados sinais que vão do intestino ao cérebro avisando quando é hora de parar de comer.

img2.jpg
MUDANÇA RADICAL
Há dez anos, a enfermeira  Ken Haragushi, 62 anos, decidiu  que as algas e a soja estariam  sempre presentes nas refeições da família.
“Essa alimentação me  levou a emagrecer dez quilos e melhorou a minha disposição”,  diz o marido, Ricardo, 68 anos

E o que se verificou foi que o envio desses avisos está vinculado ao tipo de alimento em trânsito no aparelho digestivo. Alguns, como carboidratos simples, presentes em pães e massas brancas, por exemplo, demoram mais para estimular os sinais de saciedade. Outros, ao contrário, são mais rápidos na tarefa. Entre eles estão os óleos e gorduras. “Hoje, o estudo da digestão precisa levar em conta o funcionamento do intestino-cérebro”, afirmou à ISTOÉ Heribert Watzke, conselheiro científico do centro de pesquisa em alimentos da Nestlé, na Suíça. “Ele deve ser considerado como um órgão neurológico ativo.”

O pesquisador está concentrado em estabelecer meios de prolongar o tempo de permanência dos alimentos no intestino para aumentar a percepção e a duração da saciedade. Com essa perspectiva, Watzke e sua equipe trabalham em modificações na estrutura do óleo de oliva para que ele seja digerido mais lentamente e fique por um tempo maior no intestino. “Descobrimos que um dos produtos resultantes da digestão do azeite, os monoglicerídeos, desaceleram o processo se estiverem presentes desde o início nesse alimento”, contou ­Watzke. Eles criaram em laboratório moléculas de monoglicerídeos e as adicionaram ao azeite. Após a alteração, sua permanência no intestino foi mais prolongada, aumentando a saciedade.

No Reino Unido, o governo financia trabalhos com o mesmo objetivo. Um dos estudos mais promissores avalia a adição dos galactolipídeos – moléculas de gordura encontradas em cereais – aos alimentos para desacelerar a digestão da gordura. Por enquanto, os britânicos experimentam o desempenho dessas moléculas em uma máquina que simula o estômago e o intestino humanos. “Não queremos parar a digestão da gordura porque isso causaria efeitos ruins, mas estamos seguros de que diminuir a velocidade do processo trará benefícios”, disse à ISTOÉ Peter Wilde, do Institute of Food Research, em Norwich. Ele espera que os galactolipídeos sejam usados como ingredientes de alimentos ricos em gordura como maionese e sorvetes.

img3.jpg
BOA TROCA
A estudante de teatro Adriana Cinti, 30 anos, ganhou peso quando  trocou o interior
pela capital paulista.  Por sugestão de sua nutricionista, cortou a comida fast-food,
passou a tomar até três litros de chá-verde ou branco e enriqueceu o cardápio com
cereais integrais e frutas. “Agora eu como até mais, perdi  sete quilos e ganhei energia”

Outro estudo inglês avalia o desempenho do alginato, substância extraída de algas marinhas, em substituição à gordura. “O alginato é uma fibra que retarda a absorção de nutrientes pelo intestino”, explicou à ISTOÉ Jeff Pearson, da Universidade NewCastle e coordenador do trabalho. Os resultados iniciais revelam que a mistura da fibra pode evitar que cerca de 85% da gordura ingerida seja absorvida. Pearson e seu time desenvolveram um pãozinho com alginato. “O sabor ficou ótimo”, garante o cientista. A meta é concluir os testes com o produto até 2013.

Os efeitos da gordura na relação entre cérebro e digestão estão entre os focos principais dos estudiosos. Recentemente, a pesquisadora Deborah Clegg, da Universidade Southwestern (EUA), fez revelações interessantes a esse respeito. Ela descobriu que um componente das gorduras de origem animal (carne, leite e seus derivados), o ácido palmítico, aumenta o desejo de comer. “Ele interfere nos sinais trocados por estruturas celulares e atrapalha a percepção da saciedade”, explicou à ISTOÉ. “A pessoa tem vontade de continuar comendo.”

Para chegar a essa conclusão, ela testou em animais o impacto de vários tipos de gordura no cérebro. A investigação mostrou que a ingestão de carnes e queijos, especialmente, fornece um aporte de ácido palmítico que depois de cair na corrente sanguínea, o que acontece após a digestão, consegue atravessar a barreira hematoencefálica que protege o cérebro e atua em estruturas como o hipotálamo, que regula a ingestão, e o hipocampo, onde essas moléculas prejudicam a memória e a cognição. “Ao penetrar em diferentes núcleos cerebrais, o ácido palmítico bloqueia a atuação de hormônios envolvidos na saciedade, no peso e no gasto ener­gético”, diz.

img1.jpg
NOVOS SABORES
O empresário Joseph Gelschyn, 61 anos, conseguiu diminuir o colesterol e perdeu  a barriga consumindo alimentos como  purê de mêndoas, abacate e óleo de coco. “Com eles, fico saciado por mais tempo”

Embora a mai­oria das iniciativas nesse campo ainda esteja em nível de pesquisa, já existem produtos industrializados criados para interferir nos sinais da saciedade. Um deles é uma emulsão de água e óleos de palma e aveia fabricada pela empresa holandesa DSM. A substância, com o nome comercial de Fabuless, é adicionada a produtos dietéticos pela indústria de alimentos ou vendida em potinhos para ser acrescentada em receitas caseiras. “A digestão dessa mistura é mais lenta por causa de substâncias contidas no óleo de aveia. Por isso, quando ela chega ao intestino, um sinal de saciedade é enviado ao cérebro”, disse à ISTOÉ o francês Bruno Baudoin, gerente de produtos da companhia holandesa. No Brasil, a substância é indicada por nutricionistas como Lucyanna Kalluf, do Instituto de Prevenção Personalizada, em São Paulo. “Peço para adicionar aos sucos e sopas”, diz. Entre os produtos com a mistura estão um leite de soja fabricado pela Ohki Pharmaceutical, lançado no Japão no ano passado, e o leite Silhuette Active, disponível na França.

Outra opção de nutriente já acessível são as fibras do tipo inulina. “Elas prolongam a permanência dos alimentos no estômago e no intestino”, explica a nutricionista Cynthia Antonaccio, da Equilibrium Consultoria Nutricional, em São Paulo. Por isso, alimentos como a chicória, rica fonte de inulina, começam a ser incluídos com mais frequência no cardápio de quem precisa emagrecer. Na Alemanha, são vendidos suplementos em pó e tabletes de inulina extraída da chicória. “Há frações da inulina que têm sabor doce e podem substituir o açúcar. Outras substituem a gordura por causa da textura cremosa”, disse à ISTOÉ Marjan Nowens-Roest, da Sensus, empresa alemã que fabrica o Frutafit, nome comercial da linha de produtos contendo o nutriente. Outras fibras, como o glucomanan, estão sendo incluídas em alimentos como a Pasta Slim, um fettuccine fabricado pela Wildwood e vendido nos Estados Unidos.

Bem ao alcance da mão estão outras boas alternativas para adiar a fome. Grãos integrais, iogurtes e nozes estão entre elas. “Eles demoram mais tempo para ser digeridos e melhoram o processo digestivo”, afirma a nutróloga Vânia Assaly, de São Paulo, e membro do Institute of Internal Medicine (EUA). Nessa lista há alguns componentes surpreendentes. Amêndoa, abacate e óleo de coco, por exemplo, são conhecidos por serem calóricos. Por isso, pode causar estranheza vê-los incluídos em um cardápio para emagrecer. Mas o que se descobriu é que eles também prolongam a saciedade. Por essa razão, começaram a ser mais recomendados nas dietas, desde que consumidos com moderação.

img4.jpgÓLEO
Na Suíça, Watzke testa azeite que prolonga a saciedade

 

A maçã, por sua vez, sempre foi uma boa pedida contra o peso porque tem poucas calorias e bom valor nutricional. Um estudo feito pela Universidade da Flórida (EUA) adicionou mais um motivo a seu favor. Os cientistas acompanharam 160 mulheres que ingeriram uma maçã seca por dia durante um ano e verificaram que a fruta ajudou na perda de peso não só por ser pouco calórica, mas devido à presença da pectina, fibra que eleva a saciedade.

A comida pode auxiliar no emagrecimento também pela capacidade de alguns nutrientes de aumentar a produção de calor pelo corpo – o que significa queimar mais calorias. É um predicado dos alimentos termogênicos. “O consumo regular de pimenta, pimentões, gengibre, guaraná e chá-verde, por exemplo, acelera a queima de calorias”, explica a nutricionista Lucyanna Kalluf.

Uma investigação do Centro de Nutrição Humana da Universidade da Califórnia (EUA) indicou que as pimentas, por exemplo, dobram a produção de calor até algumas horas depois da refeição em que foram consumidas. Os pesquisadores testaram os efeitos de uma substância similar à capsaicina das pimentas, o dihydrocapsiate, que não provoca ardor. Ela foi ministrada durante 28 dias junto com uma dieta de baixíssimas calorias a 17 pessoas que queriam perder peso. Outros 17 indivíduos seguiram o regime, mas receberam placebo. Entre os que ingeriram o composto, constatou-se que o gasto energético foi duas vezes maior.

Mas aqui há uma controvérsia. Pesquisadores da Purdue University, também nos EUA, afirmam que só se pode usufruir dos outros efeitos atribuídos à pimenta, como a supressão do apetite – ela anestesia a sensação da fome – , se ela for ingerida ao natural. Os testes da Purdue University foram feitos com meia colher de chá de pimenta-vermelha picada nas refeições. Mas qualquer outra pimenta pode ser usada, pois a capsaicina está presente na maioria das pimentas frescas e secas.

O caso das pimentas – capazes de aumentar a queima de calorias e a saciedade – é um bom exemplo da complexidade do papel que os alimentos desempenham no nosso organismo e de seu potencial para nos auxiliar na guerra contra a balança. Com o abacate, o óleo de coco e a canela, por exemplo, ocorre a mesma coisa. São considerados termogênicos e se descobriu que diminuem a sensação de fome. Em relação à canela, esse efeito ficou patente após pesquisa realizada pela Universidade de Lund, na Suécia. Os cientistas avaliaram o papel da canela na rapidez com que o estômago fica vazio após as refeições. Para isso, o estômago de 14 voluntários foi monitorado por ultrassonografia após a ingestão de 300 gramas de arroz-doce com e sem o condimento. O estudo constatou que o tempo de permanência da comida no estômago foi maior para aqueles que tinham consumido o doce com a canela.

Na lista dos alimentos que ajudam a prevenir o ganho de peso também constam aqueles cuja digestão resulta na liberação mais lenta da glicose para o sangue. O açúcar é o combustível para o funcionamento das células, mas em excesso não só pode levar à diabetes como ainda ao acúmulo de peso.

Ocorre que, se a digestão dos alimentos promove uma entrada muito rápida de açúcar no sangue – como é o caso dos pães e doces, de muito fácil digestão –, o pâncreas precisa liberar mais insulina, hormônio que permite a entrada dessa glicose para dentro das células. Mas essa solicitação tem um preço. O desequilíbrio na produção desse hormônio piora a ação da própria insulina, o que promove uma espécie de resistência do corpo ao seu funcionamento. Ou seja, ainda que o corpo libere mais insulina, ela não é suficiente para tirar o açúcar do sangue.

A consequência é que isso dificulta a queima da gordura, processo que só entra em cena depois que os estoques de glicose são consumidos, resultando em ganho de peso. Mas há outros desdobramentos. Por causa do mecanismo de resistência, a glicose não entra nas células em quantidade suficiente e o organismo fica sem energia, o que torna constantes o desejo de comer e a sensação de fome. Os alimentos que evitam esse problema são os de baixo índice glicêmico. Entre alguns dos exemplos estão a ameixa, o damasco e o kiwi. Diante de tantas opções, é só usar o bom-senso, equilibrar a dieta e escolher o menu mais indicado para comer, e mesmo assim emagrecer.

OS NEURÔNIOS CANIBAIS
Passar fome não é boa ideia para quem quer emagrecer. Pesquisadores do Albert Einstein College Medicine (EUA) descobriram que a privação de alimento leva os neurônios ligados ao controle do apetite a devorar células semelhantes para obter as substâncias de que necessitam. O processo ocorre no hipotálamo, estrutura cerebral que regula as sensações de fome e saciedade. Por mecanismos complexos e agora explicados por um estudo feito em animais, o processo leva à liberação de ácidos graxos que estavam guardados no interior das células canibalizadas. “Isso aumenta ainda mais a fome”, afirmou Rajat Singh, autor do estudo, publicado na edição deste mês da revista “Cell Metabolism”.

 

*Clique na imagem para ampliar.

img6.jpg

img5.jpg

imh7.jpg

G_Alimentos_Emagracem_C.jpg

 

 

Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/150329_A+COMIDA+QUE+EMAGRECE

Culinária: Pizza light com ricota e tomate dos Vigilantes do Peso

 

Quem disse que uma pizza não pode ser light? Confira a receita do Vigilantes do Peso que leva molho de tomate caseiro, ricota e orégano:

Brócolis também pode ser usado na cobertura

Serve 5 porções

Ingredientes:
Massa:

1 tablete de fermento para pão (15 g)
½ xícara de água morna
1 colher de café de sal
1 colher de café de azeite
1 ½ xícara de farinha de trigo

Cobertura:
2 dentes de alho amassados
1 colher de café de azeite
3 tomates sem pele e sem sementes picados
Sal a gosto
4 fatias médias de queijo ricota (180g)
120g de queijo mussarela ralado (equivalente a 8 fatias finas)
2 colher de café de orégano
Se preferir, também pode acrescentar brócolis cozido

Modo de preparo:
Dissolva o fermento na água morna e junte o azeite e o sal. Aos poucos, adicione a farinha de trigo, mexendo até virar uma massa firme que desgrude das mãos. Coloque numa tigela, tampe e deixe crescer por 30 minutos.
Enquanto isso, prepare o molho. Refogue o alho no azeite e junto o tomate. Tempere com o sal, tampe a panela, abaixe o fogo e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos. Retire e espere amornar.
Abra a massa em espessura fina sobre superfície enfarinhada e forre uma forma de pizza grande untada com o azeite. Leve ao forno quente (200ºC) por 15 minutos, sem deixar assar demais.
Retire do forno e espalhe o molho de tomate por cima. Misture a ricota, a mussarela e o orégano. Coloque por cima do molho e volte ao forno para derreter o queijo.

Informações nutricionais (por porção): 233 calorias; 12 proteínas; 29 carboidratos; 7 gorduras; 1 fibra.

 

Fonte: http://gnt.globo.com/

 

Bomapetite

Opções de lanches para quem estuda à noite

 

lanches-para-quem-estuda-a-noite-1-643 Muitas pessoas que trabalham durante o dia e estudam a noite, encontram dificuldades na hora de escolher os alimentos que vão consumir no jantar e qual horário fazer esse jantar.

Se tiver tempo de passar em casa antes de ir para a faculdade ou curso, o ideal é jantar antes de ir para a aula e comer uma fruta ou uma barra de cereais, na hora do intervalo.

Jantar somente quando chegar em casa não é indicado. Se tiver fome nesse horário você pode fazer uma ceia, com alimentos leves, mas o jantar deve ser feito até as 21 horas.

Mas se não tem como passar em casa antes, você tem 2 opções: ou leva um lanche de casa ou tenta escolher entre as opções propostas na cantina, a mais saudável.

Entre as melhores opções estão os salgados assados, pastéis de forno integrais. Algumas cantinas dispõem de lanches mais saudáveis e balanceados como o beirute e mesmo o bauru, se puder ser com presunto magro e queijo branco, melhor ainda.

E cuidado com os sanduíches naturais, muitos deles tem grande quantidade de maionese, muitas calorias e podem não ser tão saudáveis quanto você imagina.

Escolher o que preparar para levar de casa, também é uma tarefa difícil. O famoso pão integral com peito de peru, queijo branco, alface e tomate pode ser variado, para que não coma todo dia a mesma coisa.

O pão integral pode ser substituído pelo pão de forma comum, pelo pão sírio, pelo pão de leite ou de cará e mesmo pelo pão francês.

O peito de peru pode ser substituído por presunto magro, peito de frango desfiado, carne fria fatiada, patê de atum com maionese light.

No lugar do queijo branco, prepare seu sanduíche com ricota, mussarela, cream cheese, requeijão light, queijo cottage.

Já a alface a e o tomate podem dar lugar a rúcula, agrião, milho verde, ervilha, cenoura, rabanete e beterraba ralada.

Com relação às bebidas, no lugar dos refrigerantes, mesmo os light e zero, prefira os sucos naturais e de polpa, os chás ou bebidas a base de soja.

Fonte: Por Camila Rebouças de Castro
Nutricionista - CRN-3 14.112

http://cyberdiet.terra.com.br

Livro: Saboreando Mudanças - Jane Corona e Flávia Quaresma

Lançamento Arcanjo Micael

Saboreando Mudanças - Jane Corona e Flávia Quaresma

somente em .pdf

links abaixo

SABORE~11

digitalização, formatação e revisão - Lucia Garcia
agradecimentos pela doação do ebook para o Memorial do Conhecimento

Sinopse:

O prazer gastronômico é complexo: uma refeição simples pode satisfazer qualquer paladar quando é elaborada com atenção. È bom ressaltar: responde-se positivamente quando o alimento é preparado com carinho e negativamente quando é preparado sem cuidado. A comida não foi feita para ser devorada, mas sim saboreada. Comer bem quer dizer usar o alimento para satisfazer os nossos sentidos da visão, paladar e olfato...

A comida que colocamos na mesa é a intervenção terapêutica primária, numa proposta de manter o corpo saudável e prevenir doenças.

Links:

4 shared:
http://www.4shared.com/document/SDr71h-X/Saboreando_Mudanas_-_Jane_Coro.html

mediafire:
http://www.mediafire.com/download.php?gwjl5hmseqpz8nv

Este e-book representa uma contribuição do grupo Arcanjo Micael para aqueles que necessitam de obras digitais como é o caso dos Deficientes Visuais e como forma de acesso e divulgação para todos.
É vedado o uso deste arquivo para auferir direta ou indiretamente benefícios financeiros.
Lembre-se de valorizar e reconhecer o trabalho do autor, adquirindo suas obras

 

Fonte: Grupo Arcanjo Micael

Por que vivo fazendo dieta e não emagreço?

 

diet-frustration Alguns pacientes chegam ao consultório, relatando que vivem de dieta durante muitos anos e não conseguem emagrecer.

Normalmente essas pessoas seguem uma dieta sem o acompanhamento de um profissional qualificado e na maioria das vezes são dietas muito restritivas e baixas em calorias, o que leva o organismo a trabalhar de maneira forçada, diminuindo o metabolismo.

Algumas pessoas relacionam a palavra dieta, com passar fome.
Uma dieta balanceada preza por uma alimentação equilibrada e completa, sem que a pessoa precise passar fome.
Quando ingerimos uma quantidade muito menor de calorias do que nosso corpo necessita, nosso metabolismo se torna preguiçoso, queimando menos gordura, principalmente depois de uma dieta radical feita por um período longo, onde o que ocorre, é uma perda muita grande de massa magra (músculos), e isso engorda mesmo, afinal quanto maior massa magra, maior a queima de calorias.

As dietas muito restritivas, ou seja, com calorias muito reduzidas, pode levar o paciente a emagrecer bastante em pouco espaço de tempo, porém em contraposição leva o paciente a recuperar o peso eliminado assim que voltar a se alimentar normalmente, gerando o efeito sanfona, além de levar a perda de nutrientes importantes para as funções do organismo.
Em qualquer dieta, o sucesso dependerá de uma combinação equilibrada entre as suas preferências, poder de compras, necessidades nutricionais e restrições caso haja alguma doença envolvida.

Precisamos seguir algumas regras para ativar o nosso metabolismo.

Devemos  iniciar com uma mastigação adequada, mastigando devagar, triturando bem os alimentos, aproveitamos todos os nutrientes necessários e temos uma maior sensação de saciedade com uma menor ingestão de calorias.

Outro fator muito importante de uma dieta de sucesso é o fracionamento, é importante nos alimentar de 5 a 6 vezes ao dia dividido em desjejum, almoço, jantar, com lanches intercalados no período da manhã e da tarde procurando se alimentar de 3 em 3 horas;

Não podemos nunca nos esquecer da ingestão de água, que também é um item muito importante para uma boa qualidade de vida, devemos ingerir em média 8 copos por dia, e nunca junto as refeições;

Atividade física ajuda bastante na queima de calorias e na melhoria da qualidade de vida;

Devemos sempre limitar a ingestão de doces, açúcares, gorduras e refrigerantes.

Ingerir frutas e verduras diariamente e dar preferência para os alimentos integrais.

Não existem dietas milagrosas, e medicamentos algumas vezes auxiliam no emagrecimento, mas também podem trazer efeitos colaterais e nos torna dependentes deles para nos mantermos magros.

É muito importante procurar a orientações de um profissional qualificado, para diagnosticar os verdadeiros problemas que atrapalhem o emagrecimento, auxiliando a sua reeducação alimentar, que lhe tornará magro e saudável para a vida toda.

Thaís Navarro Caldeira

Thaís Navarro Caldeira - Perfil do Autor:

Thaís Navarro Caldeira é Nutricionista graduada pela Universidade Paulista. Presta serviços de Atendimento Nutricional e Consultoria de Controle de Qualidade para empresas alimentícias. Escreve semanalmente para o Portal Cidade Saudável. E-mail: nutricionista@cidadesaudavel.com.br

 

Fonte: http://www.artigonal.com/

Culinária: receitas de sandubas light

receita-sanduiche

Para quem tem pouco tempo ou não gosta de cozinhar, mas mesmo assim quer se manter na dieta, confira abaixo cinco receitas de sanduíches light para comer sem culpa:

Sanduba 1
2 fatias de pão integral
Pastinha com: 1 colher de sopa de requeijão + 1 colher de sopa de ricota + umas 8 alcaparras + 1 colher de cenoura ralada
1 rodela grande de tomate caqui
2 fatias de lombo defumado
1 fatia de muzzarela normal
Rúcula

Sanduba 2
1 pão sírio dobrado ao meio com o seguinte recheio:
4 tomates cereja cortados ao meio
1 colher de sopa de cream cheese misturado com 1 colher de sopa de passas
5 folhas de manjericão
1 fatia de peito de peru
2 fatias finas de queijo branco
Alface americana em tiras

Sanduba 3
1 ciabatta médio (40-50g)
1 rodela grande de tomate caqui
1 colher de sopa de requeijão
2 damascos picadinhos, grudados no requeijão
1 fatia de muzzarela
1 fatia de presunto de parma
Rúcula e alface americana misturadas

Sanduba 4
2 fatias de pão integral
Creminho com: ½ lata atum na água amassado com 1 colher de ricota ou ½ de requeijao
3 colheres de cenoura ralada
2 rodelas de tomate
Rúcula

Sanduba 5
1 pão sírio
2 palmitos em rodelas finas
1 colher de sopa de cream cheese
1 colher de passas
2 damascos picados
1 colher de sobremesa de alcaparras sem a água
1 fatia grossa de queijo branco + bastante alface americana cortada em tirinhas

 

Fonte: http://gnt.globo.com

 

Bomapetite

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ovo emagrece!

 

Depois de ser absolvido da falsa acusação de ameaçar a saúde pública, o ovo se revela benéfico ao coração e surge como aliado de forma enxutas. Palavra dos cientistas.

por CARLA CONTE

 

ovo Por essa ninguém esperava. Após décadas sendo banido do cardápio diário, o ovo foi finalmente absolvido da injusta acusação de aumentar o colesterol. E agora -- pasme! -- estudiosos garantem que ele pode dar uma baita ajuda na redução do peso. Uma das mais recentes pesquisas sobre a proeza, feita pelo Departamento de Obesidade da Pennington Biomedical Research Center da Universidade do Estado de Louisiana, e publicada no prestigiadíssimo periódico americano International Journal of Obesity, revela que ingerir o alimento pela manhã faz toda a diferença no emagrecimento.

Os pesquisadores analisaram 152 pacientes, homens e mulheres, entre 25 e 60 anos. Parte do grupo consumiu toda a manhã dois ovos e outra parte adotou bagel - pão tradicional americano. Ao final de oito semanas, a perda de peso entre a turma do ovo foi 65% maior na comparação com os demais voluntários. O índice de redução de cintura também foi 34% maior entre eles, assim como a redução de gordura - 16% maior. Tal estudo prova o mesmo que foi apontado pelo experimento publicado no Journal of the American College of Nutrition.

Ele dava conta de que as pessoas que ingerem esse alimento logo cedo se sentem mais satisfeitas e acabam consumindo menos calorias ao longo do dia. E não pára por aí: outra pesquisa, realizada na Bélgica e publicada no Journal of Nutrition, também apontou que o ovo é capaz até mesmo de diminuir o nível de ansiedade - o que, de quebra, facilita o controle alimentar e o emagrecimento.

 

Fonte: http://saude.abril.com.br

O OVO E SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

saude-ovos

            O consumo de ovos no Brasil é relativamente baixo, 129 ovos/ano, quando comparado a outros países. O México lidera o consumo de ovos no mundo com 342 ovos/ano, em seguida está o Japão e China com 330 e 300 ovos/ano, respectivamente.

Entre as décadas de 80 e 90 o consumo de ovos foi banido dos ditos “cardápios saudáveis”, devido à disseminação de notícias que afirmavam que seu consumo teria uma forte relação com o aumento das chances de desenvolvimento de doenças isquêmicas do coração.

Deve-se, no entanto, ressaltar que as doenças do coração não estão relacionadas somente aos hábitos alimentares, mas também ao sedentarismo, hábito de fumar, história familiar, diabete, obesidade e hipertensão.

  Muito se fala a respeito das possíveis conseqüências em relação à ingestão de ovos, dentre elas está o aumento do colesterol sanguíneo.

No entanto, em estudo realizado por nutricionistas da Universidade Estadual do Kansas, ficou comprovado que um fosfolipídio do ovo interfere na absorção do colesterol, reduzindo notadamente sua captação pelo intestino.

Mesmo que uma grande quantidade de colesterol seja consumida quando um ovo é ingerido, muito desse colesterol se torna "indisponível para absorção" na presença do fosfolipídio. A inibição não é de 100%, mas a quantidade absorvida é significativamente reduzida.

Bom, bonito e barato, o ovo é considerado um alimento nutricionalmente completo e ideal para o consumo, possui vitaminas A, D, E, e do grupo B e minerais,  entre os quais predominam o ferro, fósforo, zinco e selênio, que ajudam na homeostase do organismo. Por ser uma proteína de origem animal, fornece aminoácidos essenciais, os quais nosso corpo é incapaz de sintetizar.

PREVININDO A SALMONELA

Compre sempre ovos com a casca intacta e limpa, respeitando a data de validade;
Não lave os ovos antes de colocá-los na geladeira para sua conservação;
Não quebre o ovo nas bordas dos recipientes onde eles serão colocados;
Não separe as claras das gemas com a própria casca do ovo;
Não deixe os alimentos que contenham ovo mais de duas horas a temperatura ambiente;

Conserve os ovos dentro da geladeira e não na porta.

            É importante reafirmar que tudo em excesso faz mal, por isso o consumo deste alimento também deve ser moderado. Dê preferência para as preparações que não utilizem o óleo.

Boa saúde e qualidade de vida se conquistam associando alimentação saudável com a prática de atividade física. Cuide-se e seja feliz todos os dias.

           Izaara Carvalho Alvarenga

Izaara Carvalho Alvarenga - Perfil do Autor:

Izaara Alvarenga é graduada em Nutrição, pela UNILAVRAS, em Lavras - MG. Possui grande experiência na área de Alimentação Hospitalar. Cursa Especialização na UNESP, Botucatu - SP. Com passagem por empresas de porte nacional e multinacional da Alimentação Empresarial, adquiriu extensos conhecimentos neste ramo. Na área de responsabilidade social, atua na Pastoral da Criança e no Lar Esperança e Vida Mateus Loureiro Ticle, de apoio ao portador de Câncer, em Lavras. É também Articulista dos Jornais impressos “A Gazeta” e "Jornal Agora" da cidade de Lavras e "Jornal O Movimento" da cidade de Carrancas, com a coluna “Vida Saudável”.

 

Fonte: http://www.artigonal.com

Culinária: Brownie especial light

Brownie light 

Ingredientes:
180g de margarina de canola light
1 ½ xícara (de chá) de açúcar
¾ de xícara (de chá) de chocolate em pó light    
½ xícara (de chá) de farinha de trigo
4 ovos
1 xícara (de chá) de nozes picadas
100g de chocolate amargo ou meio amargo picado

Preparo:
Bata os ovos e o açúcar na batedeira até ficar um creme esbranquiçado. Adicione a manteiga amolecida. Depois, junte a farinha de trigo e o chocolate em pó peneirado. Em seguida, misture as nozes e o chocolate. Coloque em uma assadeira untada e esfarinhada. Leve ao forno a 180ºC. Asse até que esteja dourado e firme. Deixe esfriar completamente.
Dicas: esfarinhe com farinha de rosca. Polvilhe farinha de trigo nas nozes antes de colocá-las na massa.

Indicação
Pessoas saudáveis; estresse; TPM; DPOC; praticantes de exercícios físicos e dieta hipercalórica (aumentar a porção consumida); hipertensão arterial; processo de emagrecimento, já que a receita possui menos calorias do que a versão tradicional; dificuldades de deglutição; constipação intestinal; na restrição proteica de doença renal (controlar a porção rigidamente)

Rendimento: 20 porções
Sugestão de porção: 1 fatia fina
Valor calórico da porção sugerida: 150 kcal

* Receita do livro "Nutrição Contemporânea, saúde com sabor", de Marcela Knibel e Dora Cardoso

Fonte: gnt.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...