segunda-feira, 9 de julho de 2012

Qual carne é mais saudável: porco, frango ou vaca?

 

Tiramos um raio X das carnes para você escolher a melhor opção entre frango, boi e porco. Veja as propriedades de cada uma delas, a mais e a menos calórica...

 

escolha a melhor opcao entre carne de frango, boi e porco

As carnes possuem excelente valor nutritivo, mas não se pode exagerar, já que são ricas em gorduras saturadas

 

O Brasil é um dos países que mais consome carne no mundo, e os números não param de crescer. Em 2011, o brasileiro consumiu em média 47 kg de carne de frango, 15 kg de carne de porco e 35 kg de carne de boi, um aumento de7,5%, 7% e 9% respectivamente, comparado a 2010*.

Tanto a carne branca quanto a vermelha têm excelente valor nutritivo. "As carnes são ricas em proteínas, fornecem minerais como zinco, ferro, potássio, cobre e fósforo, além de boas doses de vitamina B12, exclusiva em alimentos de origem animal, e de outras vitaminas do complexo B, como B3, B5 e B6", afirmaTatiana Barão, nutricionista da empresa Naturalis.

Porém, não podemos exagerar. Os alimentos de origem animal são ricos em gorduras saturadas, que aumentam os níveis de LDL (o colesterol ruim) no organismo, podendo aumentar também os riscos de problemas no coração. A indicação de consumo dessa gordura - encontrada principalmente na pele do frango e na gordura aparente das carnes vermelhas - é de, no máximo, 2 g por dia.

*dados da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Suínos (Abipecs) e Informa Economics FNP, respectivamente.

Tiramos um raio X das carnes para você escolher a melhor opção entre frango, boi e porco. Veja as propriedades de cada uma delas, a mais e a menos calórica...

Calorias

A história de que o frango é a carne mais magra e o porco a mais gorda não é 100% verdade. Dependendo do corte, as carnes suínas podem ser mais magras do que as bovinas e até algumas aves. É o caso do lombo, por exemplo, o corte mais magro entre os pedaços do porco.

"Ele é menos gorduroso em comparação a vários outros tipos de cortes bovinos, como acém, paleta e lagarto cozidos, coxão mole ou duro, cupim, filé mignon, fraldinha, maminha etc., e também de alguns cortes de aves, como coxa, sobrecoxa e peito de frango, todos com pele", explica Tatiana.

E a nutricionista ainda complementa: "A sobrecoxa de frango com pele assada também apresenta maior quantidade de calorias e três vezes mais gorduras totais em comparação a cortes bovinos magros, como o contrafilé e o músculo, e mais gorduras e calorias em comparação ao lombo cozido".

Os mais calóricos

Mas entre todas as carnes, o corte mais calórico vem mesmo do porco: a costela suína é a campeã, com402 kcal por 100 g. Dos cortes bovinos, a costela também ganha, com 373 kcal por 100g, e entre os corte de aves a sobrecoxa de frango com pele é a que ocupa a primeira posição, com 260 kcal também por 100g.

Os menos calóricos

De todas as carnes, o corte mais magrinho é o peito do frango grelhado, com 159 kcal para cada 100 g. Dos cortes bovinos, o contrafilé sem gordura grelhado, o músculo sem gordura cozido e a paleta sem gordura cozida empatam com 194 kcal por 100 g. E entre os cortes suínos, o lombo assado é o que possui menos calorias, com 210 kcal a cada 100g.

Gorduras

Uma pesquisa realizada no Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, em 2011, revelou que acarne vermelha não altera os níveis de colesterol e da pressão arterial. Mas atenção: o estudo refere-se somente às carnes magras! As mais gordurosas, como cupim ou costela, devem sim ser evitadas, assim como a carne magra quando frita.

Isso porque os alimentos de origem animal são ricos em gorduras saturadas que, se consumidas em excesso, podem aumentar os níveis de LDL no sangue e as chances de se desenvolver algumproblema de coração.

Frango, boi ou porco?

carnes brancas possuem menos gordura saturada

As carnes brancas, como a de frango, possuem menos gordura saturada. Mas prefira as partes do peito e prepare-as sempre sem pele

 

A carne branca é a mais aconselhada por ser pobre em gordura saturada. Mas, segundo a nutricionista Viviane Correia do Nascimento (SP), os teores de colesterol e gordura da carne bovina magra, assim como do lombo suíno, são semelhantes aos da carne branca das aves sem pele.

- Se for comer carne de boi, prefira peças como alcatra, filet mignon, coxão mole, coxão duro e patinho, e evite bisteca, costela, picanha e miúdos, como coração e fígado.

- Se for comer carne de porco, evite bacon, paio e toucinho, que são ricas em gordura saturada, assim como embutidos (salame, linguiça...) e frios (presunto, mortadela...). Dê preferência ao lombo.

- Quanto às aves, escolha os cortes do peito, porque as quantidades de gordura saturada e colesterol são menores quando comparados aos outros cortes, como coxa e sobrecoxa.

"Todas as carnes devem ser preparadas sem a gordura ou a pele", reafirma Viviane. Prefira tambémcarnes cozidas ou grelhadas, mas sem secar demais. "O tratamento térmico que promove melhor preservação e absorção intestinal de nutrientes como zinco, ferro e cobre é o cozimento em água, enquanto o método grelhar retém maiores quantidades de vitaminas do complexo B", explica Tatiana Barão.

Lado bom

Mas a gordura não é assim tão vilã quanto pintam. Segundo Viviane, é importante ressaltar que ela é um dos componentes essenciais na dieta humana, pois fornece mais energia do que os carboidratos e as proteínas, além de conter ácidos graxos essenciais - aqueles que não são produzidos pelo organismo, mas que devem estar presentes na dieta.

"A gordura confere sabor aos alimentos e ainda auxilia no transporte e na absorção das vitaminas A, D, E, e K pelo intestino", afirma a nutricionista.

 

Os antibióticos usados no frango fazem mal à saúde?

frango

No Brasil, o uso de hormônio na pecuária não é permitido

Alguns pesquisadores afirmam que, para acelerar o crescimento das aves e o tempo propício para o abate, são utilizados muitos antibióticos no frango e, ainda, que essas substâncias fariam mal à saúde do homem.

"Realmente, consumir carne de frango com altas doses de hormônio em excesso podealterar o metabolismo das mulheres, pois a sobrecarga de hormônios acelera o metabolismo. Essa problemática pode desregular a menstruaçãoe fazer com que a mulher perca massa muscular. Algumas pessoas ainda têm pressão alta e problemas cardíacos muito cedo por conta do excesso de hormônios", explica a nutricionistaViviane Corrêa do Nascimento.

"Porém, segundo a Embrapa(Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), o uso dehormônios na pecuária não é permitido no Brasil. Além disso, a administração desse tipo de hormônio seria altamente dispendiosa para os produtores", expõe a nutricionista Tatiana Barão.

Ainda de acordo com Tatiana, os produtores afirmam que antibióticos podem até ser utilizados, mas que esses animais tratados são submetidos a um período de retirada desses produtos antes do abate.

"Os produtores explicam também que outros tipos de compostos inócuos, legalmente autorizados pelos órgãos de fiscalização governamental, são utilizados para melhorar a produção de frango para corte, mas que o rápido e maior crescimento das aves em geral é justificado pelas melhorias nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência, associadas à seleção genética para ganho de peso", esclarece.

Quando o boi vai para o abate, são liberados hormônios prejudiciais ao homem que ficam na carne que ingerimos?

carne

Os grandes produtores se preocupam com a forma mais adequada de abate, pois o estresse do animal pode comprometer a qualidade da carne e o faturamento do produtor

"De fato, os animais sofrem estresse pré-abate e liberam hormônios, como catecolaminas e cortisol", afirma a nutricionista da Naturalis. Porém, segundo ela, apenas se o manejo pré-abate for inadequado é que a liberação desses hormônios será suficiente para prejudicar a qualidade da carne.

"Por conta deste comprometimento da qualidade, é improvável que um grande produtor não procurereduzir o estresse pré-abate, pois causa prejuízos à qualidade do seu produto e, consequentemente, ao seu faturamento", expõe Tatiana.

Desta forma, os grandes produtores aplicam técnicas adequadas para reduzir o estresse do animal no pré-abate e agilizar o processo, evitando a liberação dos hormônios e o gasto dos estoques de energia.

"Quanto aos efeitos desses hormônios, não há estudos científicos em relação a isso", finaliza a nutricionista.

 

Dicas para o consumo

- Consuma carnes vermelhas magras até três vezes por semana, alternando-as com frango sem pele e peixes magros.

- Tire a gordura das carnes antes de prepará-las - e não no prato, quando já estiverem prontas. A gordura penetra na carne durante o preparo, então mesmo tirando-a depois você já estará consumindo pedaços mais gordurosos.

- Prefira carnes grelhadas a fritas. Por ser furada, a grelha evita a reabsorção da gordura liberada pela carne ao ser aquecida – o que acontece quando a fritamos.

- Quanto mais bem passada a carne, menos gordura ela terá. A carne mal passada é a que apresenta as maiores taxas de gordura saturada. Portanto, evite-a, ok?

 

Não como carne, e agora?

Segundo Viviane Corrêa do Nascimento, existem mais de 250 estudos que avaliaram a ingestão de nutrientes em indivíduos vegetarianos. "De todos eles, apenas a vitamina B12 não é encontrada na dieta vegetariana estrita", afirma a nutricionista.

Mas de acordo com Tatiana Barão, é possível manter o consumo adequado de nutrientes, sem a inclusão de carne no cardápio. "A dieta deve serplanejada e incluir outros alimentos fontes de proteínas, ferro, zinco e vitamina B12, nutrientes que são principalmente encontrados nas carnes", alerta.

Veja 5 dicas da nutricionista para uma dieta vegetariana equilibrada:

1. Inclua proteínas vegetais, como feijão, grão de bico, lentilha, ervilha... em combinação aos cereais, como arroz, milho, macarrão, trigo etc.;

2. Consuma alimentos fontes de vitamina C após as refeições principais para potencializar a absorção do ferro de origem vegetal;

3. Inclua preparações feitas com proteína texturizada de soja, “carne” de soja ou grãos de soja. “A soja possui todos os aminoácidos essenciais ao organismo em quantidades suficientes”, observa Tatiana.

4. Consuma cereais enriquecidos com ferro e zinco ou suplementos prescritos por nutricionistas (mediante exames laboratoriais);

5. Consuma também lácteos, como leite, queijo fresco, ricota e cottage.

 

 

FONTE:  Reportagem: Carla Festucci - http://corpoacorpo.uol.com.br

 

1147990rs6oqzwn54

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...